A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

20/07/2014 09:37

Casal fura bloqueio após vazamento de óleo e agride duas mulheres

Uma militar do Corpo de Bombeiros e uma empresária foram atacadas a socos e pontapés

Bruno Chaves e Caroline Maldonado
Bombeiros estimam que pelo menos cinco mil litros de óleo vazaram na Rua Cotegipe (Foto: Marcelo Victor)Bombeiros estimam que pelo menos cinco mil litros de óleo vazaram na Rua Cotegipe (Foto: Marcelo Victor)
Defesa Civil, da Prefeitura de Campo Grande, foi ao local para limpar via (Foto: Marcelo Victor)Defesa Civil, da Prefeitura de Campo Grande, foi ao local para limpar via (Foto: Marcelo Victor)

Depois de furar um bloqueio na Rua Cotegipe, no bairro Coophasul, em Campo Grande, por causa de um derramamento de óleo, um casal de jovens agrediu duas mulheres na madrugada de hoje (20) e acabou detido pela Polícia Civil.

Floraci Teixeira Silveira Porral, 49 anos, e uma militar do Corpo de Bombeiros foram atacadas a socos e pontapés pela estudante Renata Domingues de Oliveira, 25 anos. O esposo dela, Caio Cézar Guimarães Azambuja de Oliveira, que é militar do Exército e tem a mesma idade, foi preso por dirigir embriagado e por desacato.

Toda a confusão teve início por volta das 2h da madrugada, depois que um tanque de óleo diesel começou a vazar do pátio de uma empresa da Rua Cotegipe. Por causa de um acidente envolvendo um motociclista, o Corpo de Bombeiros foi acionado e interditou o trecho da rua. Aproximadamente, cinco mil litros de óleo vazaram no local.

Depois de socorrer a vítima do acidente e interditar parte da rua, os militares dos Bombeiros ficaram no local aguardando a chegada de um caminhão da prefeitura, que é responsável por fazer a limpeza da via. Por volta de 3h, Caio e Renata passaram em uma VW Saveiro furando o bloqueio da Corporação.

Cerca de 30 minutos depois, o casal, visivelmente alterado, voltou ao local questionando quem iria pagar para limpar o carro, que estava sujo por causa do óleo. Em meio a agitação, Floraci, que servia café aos bombeiros, tentou acalmar os ânimos de Caio e Renata e acabou sendo atacada pela jovem.

Conforme o Corpo de Bombeiros, a vítima de agressão, que é empresária e possui uma loja no bairro, foi golpeada com um soco no rosto e pontapés nas pernas. Uma militar da Corporação também acabou agredida por Renata em meio a bagunça. Por causa da agressão, física e verbal, o casal acabou detido por desacato.

Os militares pediram reforço da Polícia Militar e uma viatura do BPTran (Batalhão de Polícia de Trânsito) foi enviada ao local. Caio se recusou a fazer o teste do bafômetro e a polícia emitiu um termo de constatação de embriaguez. O jovem foi preso em flagrante.

Todos foram levados à Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) do Centro. Neste momento, o casal presta depoimento ao delegado de plantão. A empresária agredida também foi à delegacia. Ela e a militar do Corpo de Bombeiros, que também recebeu socos e pontapés de Renata, registraram o fato na Polícia Civil.

A reportagem não ouviu os envolvidos porque eles estavam prestando depoimento à polícia.

Óleo derramado na pista causa acidente e interdita trecho de rua
Um trecho da Rua Cotegipe, no bairro Coophasul, em Campo Grande, está interditado para o trânsito de veículos desde às 2h da madrugada de hoje (20) p...
Promotoria e prefeitura firmam acordo para recuperar área de preservação
Foi celebrado entre o MPE (Ministério Público Estadual) e a prefeitura de Campo Grande acordo para recomposição da vegetação nativa da área de preser...
Concurso recebe inscrições para 83 vagas técnico-administrativas
Seguem abertas as inscrições para o concurso que oferece 83 vagas para técnico-administrativos em Educação na UFMS (Universidade Federal de Mato Gros...
Vice-governadora visita projeto em que detentos reformam escolas
O projeto "Pintando e Revitalizando a Educação com Liberdade", desenvolvido pelo Poder Judiciário estadual, foi conhecido e elogiado na sexta-feira (...


De novo a lei frouxa vai deixá-los pagar com cestas básicas ou prestação social alternativa.
Ou seja uma completo absurdo.
A reprimenda existente que é risível, novamente estimulando comportamentos inaceitáveis como esse.
Quiçá o militar pegue uma reprimenda no exército, pois a instituição não refresca esse tipo de comportamento e pune mesmo.
 
Adriano Magalhães em 20/07/2014 16:37:48
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions