A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

05/08/2011 15:29

Com 4 votos, policial que matou colega é condenado a 16 anos de prisão

Nadyenka Castro

Jurados não acataram tese da defesa de que tiro disparado contra a vítima tenha sido acidental

Em julgamento realizado nesta sexta-feira, Cleidival Vasques foi condenado a 16 anos de prisão.Em julgamento realizado nesta sexta-feira, Cleidival Vasques foi condenado a 16 anos de prisão.

Por quatro votos, o júri popular reconheceu a culpa do policial civil Cleidival Vasquez, pela morte da colega Elaine Yamazaki. Com isso, foi condenado a 16 anos de prisão em regime fechado, mas, fica em liberdade por estar amparado por habeas corpus concedido pelo Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul.

Os jurados acataram as qualificadoras do homicídio doloso: motivo fútil e recurso que dificultou a defesa da vítima e descartaram a alegação do autor, que era de tiro de acidental.

Foram abertos somente quatro cédulas, do total de sete jurados, porque, diante da situação, o voto dos demais não interferiria no resultado final.

O julgamento- Cleidival contou aos jurados que amava Elaine e que se conheciam há mais de três anos, antes dela entrar para a Polícia Civil. O relacionamento amoroso extra-conjugal começou dois anos e meio antes do crime, ocorrido no início de fevereiro de 2009.

Segundo a promotoria, Cleidival matou a vítima por ciúmes e porque ela não queria envolvimento afetivo com o réu.

O Ministério Público afirma que ele foi até Elaine na noite do crime irritado por causa de recado de outro homem deixado no Orkut. Sobre a mensagem, ele disse que “tinha, mas não era motivo para fazer uma coisa desse tipo”.

Elaine era casada e tinha uma filha, hoje com 12 anos, fruto do relacionamento com o marido.

O crime- Elaine voltava da faculdade onde cursava Direito e foi seguida pelo colega.

Os dois pararam na Vila Carvalho, na rua 1º de Julho, quase esquina com a Salgado Filho, começaram a conversar e Cleidival disse que colocou a arma funcional no painel, em frente ao banco do passageiro, onde sentou.

A pistola teria caído duas vezes e na terceira vez, disparou. Ele garante que o tiro foi acidental, apesar da bala ter atingido a cabeça, entre os dois olhos.

A acusação mostrou fotos e laudos periciais que contrariam a versão apresentada pela defesa.



Prezado Roberto Inzagaki,
pelo visto você não é da área e não entende nada sobre arma de fogo tipo pistola. O fato de uma PT ter trava de segurança, não quer dizer que esta arma esteja travada naquele momento. Muitos policiais não utilizam a trava de segurança devido ao fato de retardar o disparo após o saque e, em relação ao gatilho pesado, novamente se equivoca pois o acionamento da tecla do gatilho nas pistolas de uma maneira em geral é bastante sensível e macio. Não posso afirmar que foi um acidente ou não, isso é trabalho para Perícia da Polícia Civil, mas ficar escrevendo o que não sabe também não é nada inteligente, melhor fazer um curso e se informar melhor ao invés de achar que sabe tudo...
 
Ricardo Pereira em 06/08/2011 02:23:48
Ricardo Pereira
Eu não só conheço esse tipo de armamente como o manuseio diariamente, e nas condições expostas era IMPOSSÍVEL a arma disparar caindo dentro de um carro e acertar no meio dos olhos da Elaine, não venha se achando o mestre das armas, pra que uma pessoa iria manusear uma pistola destravada na presença de um amigo? e o gatilho de uma pistola não é mole, não se a arma estiver com manutenção adequada, faça o teste pegue uma pistola, destrave e jogue ela no chão repetidamente, veja quantos e vezes ela irá disparar.....
Pistolas são bem seguras, só irá disparar se você destravar a trava de segurança e puxar o gatilho(não esbarrar), um policial treinado com vários anos de carreira, jamais iria efetuar esse tiro "acidentalmente", a perícia é necessária para os fins de persecução penal, mas desde o começo estava BEM CLARO que a história dele era MUITO furada.
 
Roberto Inzagaki em 06/08/2011 01:48:31
Tiro acidental? a arma caiu duas vezes antes de da terceira e não disparo? que conversa fiada, é até para boi dormir! Pena que a Justiça no Brasil é muito imcopetente, condenado a 16 anos e fica livre! Bom então FERNANDINHO BEIRA MAR; tambem tem direito a um HABEAS CORPUS, e responder em liberdade já que tambem matou por acidente... E como disse o amigo Luciano, dem a este ex-policial civil uma viagem para o caribe, pago pela nossa justiça copetentekkkkk é uma piada...
 
Ramão Rodrigues em 05/08/2011 10:24:43
Este policial civil Cleidival Vasquez devia ser incriminado pelas mentiras deslavadas que disse. "Tiro Acidental" ???
Esta Elaine, não merecia morrer, mas o castigo dela "pular a cerca" foi brutal.
 
Jacinto Hernandez Gomez em 05/08/2011 06:59:00
Mais do que provado que esse cara cometeu esse crime, essa histórinha pra lá defurada onde a arma dispara acidentamente não cola, pistola tem trava de segurança e gatilho é pesado IMPOSSÍVEL DISPARAR por causa de uma queda dentro de um carro, canalha, safado, tirou a vida de uma mãe de família...
Já devia estar preso faz horas...mas a nossa justiça é lenta e incompetente vai demorar até botar ele na cadeia e se botar não ficará muito tempo....
Não sei qual mentira é pior... essa de que a arma dele disparou acidentamente entre os olhos da policial ou a historia do menor que jogou uma pedra pra cima e ela caiu na cara da mulher....
 
Roberto Inzagaki em 05/08/2011 05:14:18
Condenado a 16 anos em regime fechado, mas vai ficar em liberdade... imagine se fosse condenado a uma pena menor, o que ele ganharia? uma viagem para o caribe com tudo pago?
 
Luciano Bandeira em 05/08/2011 04:02:46
Policial civil Cleidival Vasquez, pela morte da colega Elaine Yamazaki. Com isso, foi condenado a 16 anos de prisão em regime fechado, mas, fica em liberdade por estar amparado por habeas corpus concedido pelo Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Su

Conforme se le, parece que a justiça foi feita, pois o assassino foi Condenado a 16 anos em regime fechado. So que na verdade, o assassino ficara em liberdade porque esta amparado pelo habeas corpus, quer dizer a justiça foi "cumprida" no papel, mas na realidade o criminoso ficara livre para matar uma outra vitima "acidentalmente". Quando sera que a justiça realmente sera considerada uma justiça justa. Acorda BRASIL ou sera para sempre considerado o País das Impunidades, Corrupçao e outras cositas mas. Só mesmo por Deus.
 
luci santos em 05/08/2011 04:02:31
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions