ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, DOMINGO  26    CAMPO GRANDE 11º

Capital

Com atraso de obra do Aquário, governo cogita abater peixes

Aline dos Santos | 11/07/2015 17:10
Peixes que vão povoar Aquário do Pantanal estão em "casa" provisória. (Foto: Fernando Antunes)
Peixes que vão povoar Aquário do Pantanal estão em "casa" provisória. (Foto: Fernando Antunes)
Tanques foram montados na sede da PMA. (Foto: Fernando Antunes)
Tanques foram montados na sede da PMA. (Foto: Fernando Antunes)

À espera da conclusão dos tanques do Aquário do Pantanal, os peixes que iriam povoar a obra milionária podem até mesmo ser abatidos. Após a morte de 10 mil animais, o governo encerrou em junho contrato com a empresa Anambi (Análise Ambiental Ltda) e os “sobreviventes” estão sob custódia do Imasul (Instituto Estadual do Meio Ambiente).

Em entrevista publicada hoje na Folha de São Paulo, o secretário estadual de Meio Ambiente, Jaime Verruck, disse que “no limite”, caso o prazo se prolongue, pode doar os animais, despejá-los em um tanque maior ou “até abater e distribuir a carne”.

Conforme relatório da Anambi, responsável pelo manejo das espécies, desde novembro de 2014, 10.160 peixes morreram. A explicação é de que a variação de temperatura da água atingiu, principalmente, as espécies amazônicas, asiáticas, africanas e australianas. A empresa recebeu R$ 3 milhões dos R$ 5.215.499,36 previstos em contrato.

O MPE (Ministério Público Estadual) abriu inquérito para apurar irregularidades envolvendo o licenciamento ambiental da obra, a captura, o manejo e a guarda das diversas espécies.

Contagem – Diretor da Anambi, Geraldo Augusto da Silva nega a morte de dez mil animais. A contagem foi baseada em métodos estatísticos que foram revisados recentemente, mostrando que, na verdade, a quantia de exemplares mortos varia entre 6,5 mil a 7 mil. Neste cálculo, 13 mil espécimes ainda vivem nos tanques da quarentena.

Em 30 de junho, quando assumiu a manutenção dos peixes, o Imasul informou que faria nova contagem. Os peixes chegaram em novembro de 2014 e foram colocados em galpões na sede da PMA (Polícia Militar Ambiental), na avenida Mato Grosso.

No total, o custo do Centro de Pesquisa e de Reabilitação da Ictiofauna Pantaneira, nome oficial do aquário, deve atingir R$ 230 milhões. A previsão inicial era gastar R$ 87 milhões.

Com uma área total de cerca de 27 mil m² o empreendimento foi concebido para ser o maior aquário de água doce do mundo, com 6,6 milhões de litros de água. A obra começou em 2011, nos altos da avenida Afonso Pena, em Campo Grande. A reportagem não conseguiu contato com o secretário de Meio Ambiente, Jaime Verruck.

Nos siga no Google Notícias