ACOMPANHE-NOS    
SETEMBRO, QUINTA  16    CAMPO GRANDE 33º

Capital

Com funcionários parados, diretores da Santa Casa vão à prefeitura pedir recurso

Por Alberto Dias e Christiane Reis | 10/01/2017 15:00
Funcionários cruzam os braços à espera do salário de dezembro. (Foto: Fernando Antunes)
Funcionários cruzam os braços à espera do salário de dezembro. (Foto: Fernando Antunes)

Diretores da Santa Casa deixaram o hospital na tarde desta terça-feira (10) dizendo que iriam à prefeitura cobrar uma providência definitiva para os repasses atrasados que culminam em paralisações de funcionários.

Neste momento, cerca de 300 deles protestam no saguão, enquanto o presidente da casa de saúde, Esacheu Nascimento, e o diretor de Planejamento e Controle, Almir Rockenbach, cobram novamente as parcelas em atraso deixadas pela gestão do ex-prefeito Alcides Bernal (PP).

Pela manhã, o presidente do Sintesaúde (Sindicato Intermunicipal dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Serviços de Saúde), Osmar Gussi, esteve na Sesau pedindo uma atitude. "A secretária-adjunta disse que o recurso já está em caixa, mas existe uma burocr0tização por conta do contrato que venceu em dezembro", disse, lamentando a falta de resolução.


Questionado pela reportagem, se a paralisação afeta os atendimentos a pacientes, ele garante que o contingente básico de 30% do efetivo está mantido, conforme previsto pela legislação. Os "grevistas" são dos setores de raio-x, administrativos e enfermeiros, que totalizam mais de dois mil funcionários.

Aos 70 anos, Maria Aparecida aguarda salário para tentar evitar o corte de água e luz. (Foto: Fernando Antunes)
Aos 70 anos, Maria Aparecida aguarda salário para tentar evitar o corte de água e luz. (Foto: Fernando Antunes)

Um deles é Maria Aparecida Costa da Silva, que aos 70 anos de idade, não consegue pagar as contas de água e luz. "A situação em casa está bem difícil, e as contas estão prestes a cortar", conta a idosa, que atua no setor de higienização e que trabalha no hospital há 26 anos.

Na segunda-feira (9), o secretário de finanças, Pedrossian Neto, adiantou que haveria reunião com a diretoria do hospital para tentar regularizar a questão. “Assinamos aditivo referente ao contrato que venceu em 8 de dezembro e foram feitos repasses no fim do ano passado, mas existem valores em aberto que ainda estamos levantando", disse, cauteloso, sem mencionar cifras ou origem de recursos.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário