ACOMPANHE-NOS    
SETEMBRO, TERÇA  28    CAMPO GRANDE 22º

Capital

Comoção é compreensível, mas não fundamenta prisão de suspeito, diz juiz

Crime ocorreu no sábado (31), quando PRF foi preso em flagrante após se apresentar à polícia, mas acabou liberado no dia seguinte

Por Luana Rodrigues | 03/01/2017 15:29
Familiares das vítimas, no dia e local do crime. (Foto: Alcides Neto)
Familiares das vítimas, no dia e local do crime. (Foto: Alcides Neto)

“A regra é provar que ele é culpado, não prender para depois provar que é inocente”. É com esta afirmação que o juiz auxiliar Mário José Esbalqueiro Júnior explica a decisão do colega José de Andrade Neto, de domingo (1), de soltar o policial rodoviário federal Ricardo Hyun Sun Moon, de 47 anos, que matou com três tiros o empresário Adriano Correia do Nascimento, de 33 anos, no sábado (31).

Desde que o policial foi solto há um clamor social, principalmente nas redes sociais, em protesto contra a decisão. A maioria das pessoas diz acreditar que o autor deveria continuar preso, até que o processo fosse finalizado.

De acordo com o magistrado, a comoção pública quanto ao caso é compreensível, já que a vítima era um empresário conhecido na cidade. No entanto, a discussão se afasta do que rege a lei, quanto a manter ou não um indivíduo preso.

“Nesta fase, no início da investigação, a prisão preventiva, a hipótese de prisão cautelar, é excepcional, é exceção, pois o caso ainda depende de maiores provas, portanto a decisão correta é exatamente esta”, explica.

Conforme Esbalqueiro, ao se ver diante de uma caso como este, o juiz avalia alguns critérios como, por exemplo, se o suspeito tinha antecedentes criminais, se possui endereço e emprego fixo, se não existe qualquer indício de que, se caso colocado em liberdade, poderá vir a colocar em risco a ordem pública e também as testemunhas.

“E neste caso, houve o entendimento de que o suspeito atendia aos critérios e não ofereceria risco nenhum, até por não ter antecedentes de periculosidade”, disse.

Questionado sobre a decisão da Justiça ter saído antes mesmo de o preso passar por audiência de custódia, o magistrado disse que é um procedimento comum. “Assim que recebemos os documentos referentes a prisão, fazemos uma análise e se ele atende os critérios da lei, já tomamos uma decisão. Até para diminuir a quantidade de audiências de custódia”, relata.

Esbalqueiro ressalta ainda que a decisão do juiz é tomada com base nos documentos enviados pela polícia à Justiça, “neste caso, não houve sequer pedido de prisão preventiva por parte da polícia, o que reforça que a prisão não era necessária”, afirma.

Por fim, o magistrado afirma que não houve nenhum tipo de regalia, ou procedimento incomum na análise de tal caso. E, inclusive, foram impostas medidas restritivas, que "substituem" a prisão neste tipo de situação.

“Foram impostas restrições ao policial, como o recolhimento domiciliar no período noturno, proibição de sair do Brasil e de portas arma de fogo, além do afastamento das atividades como agente da PRF (Polícia Rodoviária Federal), medidas que também servem para evitar que oa utor pratique crime semelhante novamente”, disse.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário