A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 20 de Janeiro de 2018

28/06/2013 21:42

Contra Ato Médico e capitalismo, manifestantes voltam as ruas da Capital

Evelyn Souza
Manifestantes conversam sobre pauta de reivindicações. (Foto: Marcos Ermínio)Manifestantes conversam sobre pauta de reivindicações. (Foto: Marcos Ermínio)
Praça também foi cenário de manifestação contra Ato Médico. (Foto: Marcos Ermínio)Praça também foi cenário de manifestação contra Ato Médico. (Foto: Marcos Ermínio)

Cerca de duzentas pessoas participaram da manifestação contra o Ato Médico e o capitalismo, na noite dessa sexta-feira (28), nas ruas de Campo Grande. A concentração aconteceu na Praça do Rádio e a passeata percorreu a Avenida Afonso Pena até a Praça Ary Coelho e em seguida, retornou ao ponto de partida.

Um dos movimentos, o “Fora Dilma”, reivindicou contra o projeto de Lei conhecido como Lei do Ato Médico, que estabelece como atividades exclusivas dos graduados em medicina a formulação de diagnósticos, a prescrição terapêutica e a realização de cirurgias e procedimentos invasivos.

“Estão monopolizando a saúde. O paciente precisa passar por uma consulta para depois ser atendido pelo especialista que ele precisa”, diz a enfermeira Marly Fernandes, que diz que o texto diz ainda que só os médicos podem assumir cargos de chefias nos Postos de Saúde.

O “Fora Dilma” foi organizado através das redes sociais, depois de uma reunião que a categoria realizou na última quarta-feira (26), no Conselho Regional de Psicologia em Campo Grande.

Integrantes do Movimento Popular, que levou milhares de pessoas para rua na semana passada, também voltaram para as ruas. “ No final da passeata nós nos unimos ao outro grupo. Estamos convocando Assembleia para amanhã às 17h com todos os profissionais da cidade”, explicou a acadêmica de psicologia, Priscila Lorenzim, de 21 anos.

Segundo ela, o objetivo é tirar das ruas e colocar no papel as reivindicações de profissionais de todas as áreas. “ Iremos discutir e chegar a uma proposta concreta para depois, apresentarmos as autoridades”, conclui.

O terceiro ato que marcou a sexta-feira de protesto foi contra a violência capitalista. O grupo manifestou contra a violência e se mostrou a favor da demarcação das terras indígenas, paz na periferia e respeitos aos homossexuais.

A manifestação pacifica, terminou por volta das 20h.



Por exemplo, um fisioterapeuta, com cinco anos de curso superior, não poderá aplicar gelo em uma leve contusão muscular porque contém “diagnóstico nosológico” (leve contusão) e “terapia” (aplicação de gelo), exclusivos dos médicos. Terá que mandar o cliente entrar na fila do SUS e esperar dois meses para conseguir autorização médica. Cada uma das enfermeiras obstetras das exitosas e procuradas casas de parto do SUS vão ter que ter um médico ao seu lado 24 horas, noite e dia, para aprovar cada um dos seus atos que, continuamente, contém pequenos diagnósticos nosológicos e terapias simples.
 
Hiran Carvalho em 01/07/2013 09:25:51
Por exemplo, um fisioterapeuta, com cinco anos de curso superior, não poderá aplicar gelo em uma leve contusão muscular porque contém “diagnóstico nosológico” (leve contusão) e “terapia” (aplicação de gelo), exclusivos dos médicos. Terá que mandar o cliente entrar na fila do SUS e esperar dois meses para conseguir autorização médica. Cada uma das enfermeiras obstetras das exitosas e procuradas casas de parto do SUS vão ter que ter um médico ao seu lado 24 horas, noite e dia, para aprovar cada um dos seus atos que contém pequenos diagnósticos nosológicos e terapias. E assim. sucessivamente, coloca camisa de força nos psicólogos e demais profissionais. Resultado: Hipertrofia a medicina, que não dá conta nem do próprio serviço, desemprego em série e grave prejuízo da saúde pública.
 
Hiran Carvalho em 01/07/2013 07:47:36
Sugiro aos profissionais que se sentem ofendidos com o Ato Médico que LEIAM o texto antes de se manifestar e falar bobeira sobre um projeto que tramita à 12 anos.
Um exemplo dessas imensas bobeiras ditas é o citado no texto acima, pois a chefia dos postos de saúde não é exclusiva do médico e nunca será e NÃO está escrito isso no PL do Ato Médico.
Quanto ao diagnóstico, apenas o NOSOLÓGICO está a cargo do médico o restante, como nutricional, odontológico, psicológico, etc etc etc dizem respeito aos outros profissionais de suas respectivas áreas.
Dessa maneira, reforço: LEITURA! Leiam e entendam do que se trata, só então verão que o se trata da regulamentação da medicina. Exatamente, se você acha que é impossível a medicina não estar regulamentada mesmo sendo uma profissão milenar, acredite.
 
Guilherme Moreira em 29/06/2013 03:19:38
Os médicos sequer chegam no horário certo para trabalhar, nem ao menos estão sempre no posto de saúde 24 hrs por dia, trabalham muito pouco para assumir essa responsabilidade, nem tem noção das necessidades em geral de um posto de saúde, enquanto tem funcionários que nunca falta ao serviço, está la 24 hrs por dia e conhece palmo a palmo o setor de trabalho....Esse funcionário é o ENFERMEIRO.
 
Valmir Nogueira do Carmo em 28/06/2013 22:03:02
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions