A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

18/02/2013 08:49

Córrego invade área de ONG, que pede solução da Prefeitura

Luciana Brazil
Mario mostra a estrutura com fendas por causa da água. (Fotos:Luciano Muta)Mario mostra a estrutura com fendas por causa da água. (Fotos:Luciano Muta)

Responsável por atividades sociais com crianças do bairro Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, em Campo Grande, a ONG Cica – Centro de Integração da Criança e Adolescente – enfrenta há mais de um ano o acumulo de água do córrego Bálsamo, que passa na lateral da entidade. A água, que já não percorre mais seu curso normal por causa do assoreamento na região, fica acumulada e chega pela grama, já no espaço de convivência da ONG.

O que era verdinho, parece ter se transformado em areia movediça e a estrutura do prédio já está danificada, segundo o coordenador da instituição, o assistente social Mario de Freitas.

A calçada, construída para evitar que a água transborde no local, já ostenta uma fenda na construção.
Um lugar agradável, a chácara tem aproximadamente 2,5 hectares e o pedaço do córrego, área de preservação ambiental, passa por dentro da propriedade.

“Essa parte do córrego faz parte do terreno. É uma área de preservação”, confirma Mario. O terreno da chácara é fruto da doação de uma empresa da Capital.

Há muitos anos não é feita uma limpeza na área, como conta Mario. “Se estivesse assim, mas viessem cortar a vegetação, já ajudava”.

O problema da água trouxe outras correntezas. O lugar, que atende 180 crianças de 7 a 15 anos, passou a ser moradia de cobras, mosquitos e lagartos, além de outros bichos.

 

Parte do córrego assoreado traz problemas a ong.Parte do córrego assoreado traz problemas a ong.
Nos dias de chuva a área fica alagada, diz coordenador.Nos dias de chuva a área fica alagada, diz coordenador.

Mario lembra que antes do assoreamento a vegetação era bem mais baixa e o rio seguia seu leito. Hoje a vegetação está imensa.

O coordenador explica que nos dias de chuva o local fica totalmente alagado. Para ele, o problema é resultado das obras do Complexo Bálsamo. “Depois que construíram uma avenida e começaram as obras sem fazer a drenagem, o problema surgiu. Isso já tem alguns anos”, se revolta.

O que deveria ser preocupação na ONG ficou de lado. A horta precisou ser desfeita, já que as capivaras começaram a frequentar o centro e a comer tudo que tinha na horta.

As duas manilhas que canalizavam o rio na rua Nair Castro, esquina da Cica, foram substituídas por apenas uma, conforme Mario. Segundo ele, a mudança foi há oito anos e só piorou a situação.

No início deste de 2013, os responsáveis pela instituição foram até a Semadur (Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano) para pedir uma limpeza, além de uma solução.

Até o momento, Mario afirma que não houve resposta e a preocupação é com os riscos de uma inundação, principalmente neste período de chuva. “Temos medo dos bichos também. É um lugar cheio de crianças e direto a gente ve cobra passando por aqui. Isso não era assim antes”.

A ong trabalha há 15 anos oferecendo atividades no contra-turno escolar das crianças. O projeto se mantém por meio do convênio com a prefeitura, além de receber doações.



Parabéns pela reportagem Campo Grande News.

É revoltante o descaso do município em relação ao problema enfrentado pelo CICA.

Um trabalho sério e importante está com risco de parar porque a prefeitura não cumpre com suas obrigações.
 
Guilherme Dupas em 19/02/2013 10:42:44
Quero parabenizar o jornal pela reportagem da nossa ONG.
Alguém ouviu meu socorro, estou desesperada....Desenvolvo um trabalho sério nesta instituição há 14 anos e hoje essa situação está nos prejudicando.
OBRIGADA!!!
Campograndenews!!!!!
Agora vou aguardar uma solução!

 
Renata Cortada Dupas em 18/02/2013 12:08:06
Excelente reportagem da jornalista Luciana Brazil. Pela primeira vez a ONG foi ouvida. Conheço esta instituição hã anos e realmente esse córrego mudou a paisagem do local, além de se tornar um problema e perigo. Esse final de semana andei pelos parques Sóter e das Nações Unidas e fiquei impressionada como estão largados, os matos enormes de altos. Tudo isso colabora com a proliferação da dengue. Esse local alagado no CICA virou um foco enorme de dengue!!! Cadê o poder público???
 
Adriana Dupas em 18/02/2013 12:01:26
No PQ das Naçoes, domingo pela manhã, fiquei muito triste com a situação visível na ponte do lago, o córrego que alimenta o lago, está totalmente assoreado, já se formou bancos de areia no leito , como que vai ficar a situação daqui pra frente?????
vão deixar a situação ficar igual ao lago da parque sóter???
Aonde está o MP?
órgãos de proteção ambiental?
que não tomam uma atitude para resolver o problema, que por enquanto é simples de resolver, ou como um cidadão que fez o seguinte comentário, "Vão deixar acabar tudo, ai ao invés de gastar 1.000.000,00 para resolver, vão gastar 10.000.000,00" ... E vocês já sabem que é isso mesmo que acontece, como as rotatórias feitas em algumas ruas a custo de 50.000,00..
Melhor remediar do que prevenir?!?!?!?!?!? Às custas do bolso do cidadão.
 
Odracir Siarom em 18/02/2013 10:00:18
Muito bom comentário e matéria vários corregos de C.G. estão abandonados pelo poder público, acompanhem a extensão do córrego que faz margem com a nova Av. Lúdio Coelho "APARENTEMENTE" uma beleza mas só para quem anda pela av. tudo cercado muito lindo,mas, tentem andar pelas ruas que fazem parte da margem oposta a av., ou seja do lado dos moradores, são verdadeiros lixões ao ar livre e que seriam parques lineares de acordo com o projeto já viram o ditado que diz - "PARA INGLÊS VER"- tomara que a nova administração dê uma atenção a esse problema.
 
José Edson em 18/02/2013 09:58:43
A oito anos foi trocado a manilha, ou seja eram duas e deixaram apenas uma, estas providências paliativas eram comuns no governo anterior, vejam os estragos do córrego Sóter na via park.
 
João Crisóstomo de Campo Grande - MS em 18/02/2013 09:11:43
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions