A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

24/06/2013 08:12

Defensoria pede habeas corpus para libertar grupo preso em protesto

Paula Maciulevicius
Confusão na sexta-feira na Câmara. (Foto: João Garrigó)Confusão na sexta-feira na Câmara. (Foto: João Garrigó)

A Defensoria Pública entrou com pedido de habeas corpus no Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul para soltar os quatro rapazes que continuam presos por dano ao patrimônio público ocorrido durante os protestos de sexta-feira, em Campo Grande. No total, 10 pessoas foram detidos e encaminhadas à Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) do Centro, após a manifestação.

Um dos jovens foi solto na noite de sexta depois de pagar fiança. No dia da movimentação, foi estipulada fiança de oito salários mínimos, cerca de R$ 5,4 mil. A Defensoria Pública pediu isenção de fiança e a Justiça reduziu para R$ 1.356.

O defensor público Paulo Paixão explica que em nenhum momento apoia o vandalismo e que está fazendo a defesa porque os presos são pessoas carentes. Os quatro são cabeleireiro, atendente, repositor e estudante.

“A Defensoria apoia o movimento pacífico e ordeiro, mas neste caso entramos com pedido pelo fato de serem pessoas carentes e que não conseguem contratar advogado, a Defensoria entende que não é justo. Unicamente o que esta pesando neste momento é o fato de ter dinheiro”, ressaltou Paixão sobre os detidos que já foram liberados.

Confusão - As prisões aconteceram após confusão envolvendo os manifestantes e a tropa choque da Polícia Militar no cruzamento da Avenida Afonso Pena com a rua Bahia, na região central. Conforme consta no Boletim de Ocorrência, três jovens estavam tentando pichar o muro da Casa da Saúde.

Durante abordagem ao grupo de cerca de 50 manifestantes, um dos policiais fez um disparo de bala de borracha que acabou atingindo uma das pernas de um dos manifestantes. Ele foi detido e encaminhado para a Depac, mas como estava ferido teve que ser levado para Santa Casa.

Antes do confronto na área central, a tropa de choque teve que conter um pequeno grupo de manifestantes que tentou invadir o prédio da Câmara Municipal. Um das portas de vidro da entrada da Casa de Leis acabou danificada. Um guarda municipal ficou ferido ao ser atingido por uma pedra no rosto.



Com certeza as mesmas pessoas que aqui manifestam indignação com a atuação da Defensoria Pública, mesmo demonstrando não saber sequer como funciona um processo judicial, são as mesmas que continuam sentadas no sofá assistindo a sua televisão sem se importar com a atual situação do nosso país.
Aliás, sequer se importam com o andamento dos processos dos "de colarinho branco", já que estão mais preocupadas em atacar a atuação digna e legal da Defensoria Pública em casos em que o cidadão é necessitado na forma da lei e necessita da assistência do órgão.
ACORDA BRASIL! ACORDA MATO GROSSO DO SUL! ACORDA CAMPO GRANDE!
 
Caroline Nunes em 26/06/2013 08:01:06
A Defensoria Pública Estadual, na pessoa de seus valorosos Defensores Públicos, Dr. Carlos Eduardo Bruno Marietto e Dr. Paulo Paixão, nada mais está fazendo do que exercer o mister constitucional na defesa de quem não dispõe de condições financeiras para tanto. Não se está isentando ninguém da eventual responsabilidade pela conduta de cada um, mas simplesmente equiparando os pobres com os mais abastados financeiramente no que tange a obtenção da liberdade. Parabéns pela iniciativa.
 
Ilton de Assis em 24/06/2013 18:04:49
o Defensor Paulo Paixão fez o papel dele, afinal todo ser humano tem direito a defesa, e o comentário de algumas pessoas são totalmente descabido,principalmente desse Geraldo Souza que não sabe oque fala, portanto devia ficar de boca calada, falar que Defensor ta fazendo isso a pedido de algum politico?? jamais.
 
zurma pereira prates em 24/06/2013 16:13:19
bom acho q o defensor fez o trabalho dele pois o povo esta muito indignado com o q vem acontecendo na politica de hoje por isso cujo vandalismo veio a acontecer nao defendo o vandalismo sou a favor do protesto pacifico, mais se fez oq fizeram foi por um motivo bem conivente parabéns Dr.Paulo Paixão
 
Vitor Lucas em 24/06/2013 16:07:12
Isso é uma vergonha e só prova que a "lei" no nosso país além de cega é burra e favorece seus semelhantes! O cara "rouba milhões" do Hospital do Câncer e com isso várias pessoas sofreram com falta de tratamento e até morreram, o culpado esta solto e nem será devolvido o dinheiro roubado! A população fica indignada com a situação do país, vai reclamar e é presa! "Mas os rapazes depedraram o patrimônio público! E o cara do HC? Pessoas morreram!" Onde esta a justiça? A justiça esta entrerrada no fundo de uma latrina!
 
Alexandre de Souza em 24/06/2013 15:46:55
Deicha eles lá ums 15 dias p aprender.
 
marluce camargo em 24/06/2013 15:40:13
Não sou a favor de vandalismo, porém no país existem leis e elas devem ser cumpridas e o direito de defesa cabe a todos os cidadãos
 
Juliano jatobá em 24/06/2013 14:51:51
Sou Defensor Público (Marietto) e estive, juntamente com o meu colega Paulo Paixão na passeata organizada pelo Movimento Passe Livre aqui em Campo Grande. Depois, cuidamos do sagrado direito de defesa daqueles que foram conduzidos até a Delegacia de Polícia, como princípio inalienável de uma sociedade civilizada. O vândalo responderá perante a Justiça. Quero deixar claro que a Defensoria Pública apoia a liberdade de expressão e a passeata popular como instrumento legítimo para liberar demandas e sentimentos sociais represados que, por sinal, já estão transbordando. A praça é do povo, a rua é do provo e assim, sem violência e sem vandalismo, devem ser ocupadas legitimamente pelo povo. Porém, a Defensoria Pública não apoia atos de vandalismo e nem de violência, esta, venha de onde vier.
 
CARLOS EDUARDO BRUNO MARIETTO em 24/06/2013 14:50:54
Bom, eu acho que os mesmos devem ser condicionados a prestar serviços ao ente publico que foi alvo de tais situações, pois ai darão valor a sua liberadade e creio que nao farão mais este tipo de vandalismo. agora um deles pagou fiança e fica por isso mesmo?? com certeza pagar 5,4 mil nao e para qualquer um! esse devia ser mais abastado e saiu imediatamente neh, então chama ele de volta e pena nele tambem, cortar cabelo no hospital de idosos ao seria uma pena, mas seria um serviço social muito util no caso desse cabelereiro.
 
Marcio Barbosa em 24/06/2013 14:14:00
Parabéns a Defensoria Pública especialmente aosDefensor Paixão não tem que ser conivente com os vandalos, mais sim com a legalidade, com o cumprimento correto das leis penais, cabe ao Estado pedir reparação pelo dano sofrido.
em atenção a Sra. Mey Moura a Defensoria atende o pobre necessitado, independente se ele é pai de familia ou bandido, tem que punir mas da maneira correta.
 
Maria Macedo em 24/06/2013 14:03:34
Tratamento igualitário a todos, mesmo tratamento para vândalos ricos e pobres, valeu Defensoria, mesmo porque os que foram presos nem sempre foram os que depredaram algo!
VALEU MESMO DEFENSORIA
 
Juliana Garcia em 24/06/2013 13:53:03
Isso é uma vergonha, o que estar acontecendo, a Denfensoria publica se preocupar com as ações dos marginais, sim porque essa violencia, é ações de marginais infiltrado nas manifestações, Se eles forem soltos, eles vão fazer de novo e desta vez muito pior, ai quem paga a conta, o povo, Acredito que a defensoria publica, estar mobilizando para soltar esses vandalos, a mando de alguém ou mesmo de algum politico ligado a essa violencia, Qem será heim... é pra se pensar
é so somar, dois mais dois é igual a... VERGONHA ISSO...
 
geraldo souza em 24/06/2013 13:49:48
Engraçado quando é um que atropelou bêbado ninguém fala nada, mas quando são pessoas que estão protestando contra a corrupção aparece os cupinchas querendo dar lição de moral. Continuem sendo roubados pela Câmara, enquanto vocês defendem eles tomam cafézinho a suas custas.
 
Ricardo Alves em 24/06/2013 13:43:52
Mey Moura, se o "pai de família" fica um tempão esperando ou não consegue é porque tem condição suficiente para arcar com advogado em sua defesa, a defensoria defende quem não tem condição financeira e é exatamente isso que o defensor a cima diz no paragrafo 4º. Procure saber antes de julgar !
 
Max alves em 24/06/2013 13:23:51
Dr. Paixão...

que eles não peguem fiança pois não tem condições, porém há como eles pagarem com serviço comunitário...
 
Carla Lopes em 24/06/2013 12:23:52
Corretíssima a atuação da Defensoria Pública.. Ainda que o ato tenha deixado prejuízos, isso não impõe que o preso em flagrante, quando o caso não for de maior gravidade e a pessoa tenha bom histórico, aguarde todo o processo recolhido...A fiança não é condenação, o dinheiro, em verdade, sequer é usado para reparar prejuízos.. Fiança é uma garantia, não a única, que a pessoa dá para aguardar, solta, o processo.. Os danos causados podem ser cobrados pelo Estado em processo próprio ou, ainda, pode ser, até mesmo junto com prestação de serviços à comunidade, ser uma das penas impostas.
 
ROBERTO FERREIRA FILHO em 24/06/2013 12:14:00
Grande Doutor Paulo Paixão!!!
 
Thiago Vinicius em 24/06/2013 11:11:49
Mas nos casos mais violentos como vimos em outras partes do país, por favor...eles q pensem antes de agir...Neste caso específico, acho que o susto já ajuda a refletir, mas que sirva mesmo de lição...
 
Lucia Sales em 24/06/2013 10:55:34
Engraçado, tem cidadão pai de família que fica o maior tempão esperando para ter atendimento da defensoria pública e as vezes nem consegue, e agora eles tem tempo suficiente para defender VÂNDALOS, pessoas que destruíram, depredaram... QUE COISA NÉ.... inversão de valores
 
Mey Moura em 24/06/2013 10:44:33
Seria cômico se não fosse trágico. Defensoria "pública" pedindo habeas corpus para vândalos presos por danificar patrimônio "público". São pessoas carentes? Pensassem em sua situação econômica antes de tomar as atitudes que tomaram.
 
Adercio Junior em 24/06/2013 09:51:02
Essa fiança tem que ter sido pago limpando a rua (pintar, varrer entre outros que danificaram).
 
Aparecida da Silva em 24/06/2013 09:35:34
Vamos separar as coisas.. O fato de aguardarem em liberdade não garante direito a absolvição. Podem, aliás, serem condenados, ao final, ao cumprimento das penas indicadas pelo outro leitor (prestação de serviços, prestação pecuniária etc..). Agora, mantê-los presos, neste momento, porque não conseguiram recolher o valor da fiança é, cá pra nós, absurdo (digo em tese, porque não conheço o processo e nem a decisão). Se for isso, não tem cabimento. A fiança não pode ser condição para que a pessoa aguarde em liberdade visto que a justiça, nestes casos, possui outros instrumentos que pode impor ao liberado (comparecimento períodico em cartório; não mudança de endereço; recolhimento domiciliar etc...).
 
ROBERTO FERREIRA FILHO em 24/06/2013 09:33:51
Entendo que o Defensor está fazendo o seu trabalho, mas coloca uma reparação de dano ao patrimônio público e prestação de serviço a comunidade por 12 meses, fazendo a limpeza em tempo vago de suas atividades normais, em algum orgão público tipo Orla Morena.
E por falar em orgão público, fiquei envergonhada ao fazer um Tur com familiares de Curitiba, pelo Parque do Poderes. Todos ficaram espantados, com o descaso em todo o Parque. O que disseram tem fundamento: Todo o Parque deveria ter boas calçadas (para as pessoas transitarem melhor de um orgão p/ ooutro e também para o adeptos a caminhada terem melhor conforto. As laterais deveriam ser mais limpas com plantas ornamentais. Principalmente, enfrente os orgãos (Secretarias, Governadoria e os "Ts" ,TJ, TC e TRE.), acharam completo desleixo
 
Neyde de Oliveira em 24/06/2013 08:49:39
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions