ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, DOMINGO  23    CAMPO GRANDE 30º

Capital

Defesa de pedreiro diz que acusação de homicídio se baseia em "verdade criada"

"Pedreiro Assassino" é julgado hoje por agredir vítima e jogar em poço; ele confessa o crime

Dayene Paz e Bruna Marques | 16/02/2022 12:42
Dhyego Fernandes Alfonso, um dos advogados de defesa. (Foto: Marcos Maluf)
Dhyego Fernandes Alfonso, um dos advogados de defesa. (Foto: Marcos Maluf)

A defesa do pedreiro Cléber de Souza Carvalho, réu por sete homicídios em Campo Grande, afirmou que a acusação do assassinato de Timótio Pontes Roman, de 62 anos, se baseia em uma "verdade criada", ao conversar com a imprensa no intervalo do julgamento, nesta quarta-feira (16).

"Vamos tentar trazer a verdade dos fatos, porque até o presente momento a única verdade que se falou foi uma criada, tanto pelo Ministério Público, tanto pelos policiais", disse o advogado Dhyego Fernandes Alfonso. Para ele, há contradição no trabalho policial, que será mostrada em plenário nesta tarde.

Além disso, Dhyego afirmou que Cléber está arrependido pelos crimes e quer responder pelo que fez. Pediu que os jurados entendam que o julgamento de hoje é de apenas um caso. "Foram sete casos, mas cada caso terá um julgamento. As pessoas que se sentarem nesse plenário do Tribunal do Júri não queiram fazer justiça pelos demais".

A defesa de Cléber também é composta pelo advogado José Vinicius Teixeira.

Cléber passa hoje pelo segundo julgamento. Ele é réu por sete homicídios. (Foto: Marcos Maluf)
Cléber passa hoje pelo segundo julgamento. Ele é réu por sete homicídios. (Foto: Marcos Maluf)

Julgamento - Durante a manhã desta quarta, foram ouvidas as testemunhas de acusação, sendo os investigadores da DEH (Delegacia Especializada em Repressão aos Crimes de Homicídio), Cláudio Rossi Júnior e Douglas Ferro Fagundes. A defesa não arrolou testemunhas.

Durante os depoimentos, os investigadores foram claros em confirmar que Cléber confessou todos os assassinatos, apontando onde estava cada vítima. O perfil seria homens, com mais de 40 anos, que moravam sozinhos. O objetivo era se apossar de bens materiais, como casas e veículos.

No caso da vítima Timótio, a segunda a ser encontrada pela polícia, depois de José Leonel Ferreira Santos, de 61 anos, o pedreiro não nega a autoria, mas alega ser uma pessoa boa e que estava "transtornado" quando cometeu o crime, por causa de uma dívida e também do assassinato que cometeu no dia anterior, de José Leonel.

Este já é o segundo julgamento de Cléber, que ficou conhecido como "Pedreiro Assassino", após a polícia descobrir uma série de crimes praticados por ele. Em 1º de fevereiro, Cléber foi condenado a 15 anos por homicídio qualificado. A vítima do caso é Roberto Geraldo Clariano, o “Cenoura”, atingido com golpe chibanca e enterrado em um lote invadido.

Nos siga no Google Notícias

Veja Também