ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, SEGUNDA  27    CAMPO GRANDE 15º

Capital

Defesa diz que PM preso por homicídio morreu "à míngua" após 428 dias na cadeia

Em nota, a Agepen diz que óbito foi constatado em hospital particular onde detento estava desde quarta-feira

Por Ana Paula Chuva e Ana Beatriz Rodrigues | 19/04/2024 16:22
José da Rosa mostra imagem de PM ainda vivo e bastante debilitado (Foto: Ana Beatriz Rodrigues)
José da Rosa mostra imagem de PM ainda vivo e bastante debilitado (Foto: Ana Beatriz Rodrigues)

O policial militar reformado José Roberto de Souza, 54 anos, foi diagnosticado com influenza A um dia antes de morrer e a defesa do homem preso por homicídio afirma que ele morreu "à míngua" depois de 428 dias em presídios de Campo Grande. O óbito foi constatado na manhã desta sexta-feira (19).

O PM era acusado de matar o empresário Antônio Caetano de Carvalho, 67 anos, durante uma audiência no Procon (Secretaria Executiva para Orientação e Defesa do Consumidor), em fevereiro de 2023.

A morte foi confirmada no início da tarde pelo advogado José Roberto da Rosa, que, em coletiva de imprensa, na tarde de hoje, disse que o PM reformado foi diagnosticado com a doença nesta quinta-feira (18) e até hoje, às 8h, a defesa tentava que o cliente fosse para prisão domiciliar e assim, receber melhor tratamento de saúde.

“De setembro até agora, foram seis pedidos para o tratamento domiciliar, todos com laudos e todos negados. Em dezembro, tentamos o habeas corpus, mas até agora não foi julgado. Ele tinha problemas renais, cardíacos e diabetes”, disse José da Rosa.

De acordo com a Agepen (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário), o militar estava internado em hospital desde a quarta-feira (17) e morreu nesta sexta-feira. A causa da morte não foi confirmada.

"O custodiado possuía uma série de comorbidades e recebia atendimento médico regular no Módulo de Saúde do Complexo Penitenciário desde que deu entrada no Centro de Triagem. Ele também passou por consultas com especialistas em atendimentos externos e particulares. Na quarta-feira foi encaminhado para atendimento em hospital particular e veio a falecer no local. Dessa forma, toda a assistência possível foi prestada ao custodiado, conforme pode ser comprovado pelo prontuário médico", diz em nota.

No entanto, a defesa alega que José Roberto estava dentro do Centro de Triagem até quarta-feira (17), quando foi levado até a Policlínica da PM para consulta e só ontem (18), quando passou mal, foi encaminhado para o Hospital da Cassems.

"Vamos entrar com uma ação futuramente para responsabilizar o Poder Judiciário. Tiraram ele do presídio militar e mandaram para o Centro de Triagem e até hoje não sabemos o porquê. Não pedíamos a liberdade, queríamos que apenas que ele tivesse o tratamento devido. A defesa agora fica com a sensação de impotência”, desabafou o advogado.

A última pessoa a ver José Roberto vivo, de acordo com o advogado, foi a esposa no fim de semana. A morte foi informada à família hoje às 10h.

(*) Matéria editada às 17h46 para correção de informação repassada pelo advogado José Roberto Rodrigues da Rosa, que havia dito que o cliente morreu dentro da prisão.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias