A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

23/01/2013 14:27

Dengue aumenta venda de medicamentos e de repelentes

Luciana Brazil, Mariana Lopes e Paula Vitorino
Medicamento não está em falta na rede pública, mas distribuição aumentou significativamente. (Foto:Rodrigo Pazinato)Medicamento não está em falta na rede pública, mas distribuição aumentou significativamente. (Foto:Rodrigo Pazinato)

Diante de mortes confirmadas por causa da dengue e de mais de 9 mil casos da doença, a população de Campo Grande tem tentado se proteger da doença. Repelentes, soro e o medicamento paracetamol, o mais indicado no caso da doença, já começam a faltar nas farmácias.

O prefeito Alcides Bernal (PP) decretou situação de emergencia e anunciou compra de medicamentos emergencial, sob o argumento de que os estoques estão vazios, mas na rede pública, a situação não comprovada na prática, embora a procura esteja intensa.

Nas farmácias privadas, a venda do paracetamol aumentou até 80% em alguns locais, em comparação com os meses anteriores. Quem procura repelente também já tem dificuldade em encontrar no comérci. Com o soro, recomendado para o paciente se hidratar, a rotina tem sido a mesma.

De todas as farmácias pesquisadas pelo Campo Grande News, a maioria confirmou o aumento na procura pelo medicamento, e alguns estabelecimentos já falam em ampliar os pedidos junto às distribuidoras.

É possível perceber que muita gente tem comprado o remédio, mesmo sem ter certeza da doença.

Nas últimas semanas, a farmacêutica Crislaine Soares conta que na farmácia do bairro Tiradentes a procura cresceu vertiginosamente, cerca de 80%. Segundo ela, os pedidos para a distribuidora já aumentaram.

Muitos clientes têm comprado o medicamento por causa dos sintomas, além dos que chegam por recomendação médica. Segundo a farmacêutica, tem gente que vem com a recomendação médica para comprar dipirona, mas se não tiver receita, ela indica o paracetamol.

“Não tem nada comprovado que o dipirona altere as plaquetas, mas a recomendação oficial até o momento é de que o paracetamol é o mais indicado para a dengue. Não sei por que muitos médicos estão receitando dipirona, será que é porque o paracetamol está em falta?”, questionou.

Na farmácia do bairro Coronel Antonino, o atendente Adão Gomes da Silva diz que houve aumento de 40% na venda de Paracetamol. “Já avisei para aumentarmos os pedidos”.

Pacientes com receita estão precisando recorrer às farmácias, segundo Adão, já que o remédio tem faltado nos postos. “Alguns estão comprando porque não conseguiram pegar no posto”.

E mesmo sem a receita, somente com os sintomas, tem gente querendo se antecipar. “Mesmo com alguns sintomas, as pessoas já correm para comprar o medicamento. E isso é um problema”, lembra a farmacêutica Monica Perin, 37 anos.

O uso indiscriminado do Paracetamol, segundo Mônica, faz mal para o fígado e pode até se transformar em uma hepatite.

Na farmácia São Bento da avenida Mato Grosso, o atendente conta que, além do medicamento, os clientes tem procurado o repelente. “Aumentou a venda de tudo. Agora mesmo, veio uma mulher dizendo que já tinha passado em quatro farmácias e não tinha conseguido comprar repelente”, Roberto Willian, 25 anos.

Ele ainda confirma as mesma informações de outros atendentes e farmacêuticos. “Por medo, tem, gente que sente um dorzinha no corpo e já vem compara o paracetamol”.

Na UPA (Unidade de Pronto Atendimento) do Coronel Antonino, os funcionários observaram o aumento na procura do paracetamol, inclusive nos pedidos de estoque. Mas eles ainda garantiram que o remédio não tem faltado.

Na farmácia do posto de saúde do Tiradentes, o atendente lembra que na rede pública o medicamento não está em falta, mas diz que por causa da epidemia os remédios saem como água. 



A solução é somente limpeza,que infelismente a própria população não tem conciência,e Educação é tudo,pois tive dengue e sai da cidade,e estou sem vontade de voltar para campo grande,estou vendo tudo daqui de sp.
 
janaina dos santos em 24/01/2013 09:18:28
Na verdade o uso do PARACETAMOL que seria contra-indicado no caso de dengue, pois a dengue atinge ao fígado e o paracetamol é metabolizado lá. Se a pessoa que já teve dengue uma vez, provavelmente tomando o paracetamol vai evoluir para o quadro de dengue hemorrágica. Também sou farmacêutico e não indico paracetamol em caso de dengue.
 
joao belle em 23/01/2013 21:28:17
Pois é Campo Grande esta em estado de emergencia mas por que?Tudo por culpa da propria populaçao que infelizmente nao tem a consciencia de limpar seu quintal etc...o povo ainda é muito relaxado e o que voce mais ve por ai nesses bairros sao sujeiras espalhadas...ai quando surta uma crise de doença todo mundo fica desesperado,mas cade a educaçao e o bom senso de todos...Sem contar que antigamente viviam passando aquele carro la com o veneno combate ao mosquito hoje em dia nao se faz mais,por que isso??? Deveria constantemente passar ja que aqui temos casos de dengue
 
Elizabette Barcelos em 23/01/2013 15:49:38
Pois é, se a população fizesse o dever de casa, nada disso aconteceria, agora todo mundo corre para as farmacias desesperados em busca de repelentes e medicamentos..Essa doença e considerada doença de 3º mundo...Meu Deus quando vamos aprender mas aqui em nosso pais funciona assim, "se não vai pelo amor vai pela dor"
 
Fernando Vilas Boas em 23/01/2013 14:57:36
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions