ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, SEGUNDA  20    CAMPO GRANDE 16º

Capital

Desembargadores decidem nesta terça se assassino de Mayara vai a júri

Luís Alberto Bastos Barbosa é réu confesso da morte da musicista e afirmou à polícia que cometeu crime em um “rompante de raiva”

Geisy Garnes | 14/05/2018 11:48
Luís é réu confesso do assassinato da musicista Mayara Amaral (Foto: Arquivo)
Luís é réu confesso do assassinato da musicista Mayara Amaral (Foto: Arquivo)

Desembargadores da 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul devem decidir neste terça-feira (15) o destino de Luís Alberto Bastos Barbosa, de 29 anos - réu confesso do assassinato da musicista Mayara Amaral, em julho do ano passado em Campo Grande - e definir se ele vai ou não a júri popular pelo crime.

Desde que o crime foi enviado à justiça, uma verdadeira batalha para decidir que vara vai julgar Luís Alberto começou.

Inicialmente tratado como latrocínio - roubo seguido de morte - o caso foi enviado à 4ª Vara Criminal de Campo Grande. O inquérito policial foi analisado pelo juiz Wilson Leite Correa, que se considerou incapaz de julgar o réu por acreditar, assim como o promotor responsável pela vara, que o crime se tratava de feminicídio.

O processo passou então para o juiz Aluízio Pereira dos Santos, da 2ª Vara do Tribunal do Júri. Ao contrário do colega, o magistrado seguiu a tese de investigação da Polícia Civil e defendeu que Luís matou Mayara de maneira premeditada, para roubar o carro e outros pertences dela.

Diante do embate, foi decretado conflito negativo de competência e o processo sobre a morte de Mayara foi enviado a 1ª Câmara Criminal do TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul). No mês passado, o desembargador Geraldo de Almeida Santiago determinou que analise e decisão de onde o réu será julgado aconteça na sessão nesta terça-feira (15).

Mayara Amaral foi morta em julho do ano passado (Foto: Arquivo Pessoal)
Mayara Amaral foi morta em julho do ano passado (Foto: Arquivo Pessoal)

Entenda - Mayara foi morta a golpes de martelo em um motel na madrugada do dia 25 de julho, e teve o corpo abandonado e carbonizado em uma estrada vicinal na região do Inferninho, na saída de Campo Grande para Rochedo.

Luís está preso desde o dia 27 de julho quando foi surpreendido por equipes da Polícia Civil, e preso em flagrante pela morte da musicista de 27 anos. Com ele foram encontrados vários objetos roubados da vítima no dia do crime - um notebook, um celular, um violão, uma guitarra, um aparelho amplificador e o VW Gol, modelo 1992, vendido por ele por R$ 1 mil.

Na data do flagrante, outros dois suspeitos de participação também foram presos, Ronaldo da Silva Olmedo, de 30 anos e Anderson Sanches Pereira. Após versões contraditórias, o suspeito acabou confessando que matou Mayara sozinho, durante uma discussão. Ele alegou ainda que estava sob efeito de drogas e teve um rompante de raiva.

Por conta disso, e pelas faltas de provas, o Tribunal de Justiça livrou Anderson e Ronaldo das acusações de envolvimento no assassinato.

Nos siga no Google Notícias