A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 19 de Agosto de 2018

29/01/2016 14:00

Donos de academias querem derrubar lei contra taxa de personal

Flávia Lima
Donos de academias da Capital discutem lei que autoriza entrada livre de personais particulares nos estabelecimentos. (Foto:Fernando Antunes)Donos de academias da Capital discutem lei que autoriza entrada livre de personais particulares nos estabelecimentos. (Foto:Fernando Antunes)

Um grupo de 20 proprietários de academias esteve reunido na manhã desta sexta-feira (29) para conversar com representantes do CREF (Conselho Regional de Educação Física da 11ª Região MS-MT) sobre a aplicação da lei, de autoria do vereador Eduardo Cury (PT do B), que dá acesso livre a qualquer personal trainer particular aos estabelecimentos para acompanhamento dos alunos, proibindo a cobrança de taxa desses profissionais.

Desde a sua aprovação, no final de 2015, os donos de academias vem se mobilizando no sentido de revogar a lei, que prevê multa de R$ 4 mil caso seja descumprida. Apesar de ter comparecido a reunião, o presidente do Conselho, Ubiratan Brito de Melo, preferiu não conceder entrevista.

Segundo a assessoria do órgão, o Conselho Regional irá manter uma posição neutra sobre a questão, porém se comprometeu a encaminhar à presidência da Câmara Municipal, a documentação que vem sendo reunida pelos donos de academia que tem o objetivo de provar a inconstitucionalidade da lei.

Ainda segundo a assessoria do Conselho Regional de Educação Física, há um acordo entre o Legislativo Municipal e o órgão, firmado em 2009, que prevê que todo projeto de lei referente ao setor seja discutido com a categoria antes de ser colocado em votação.

“Não foi isso que ocorreu. Aprovaram a lei sem avisar o Conselho ou saber a opinião dos proprietários e personais”, diz um dos representantes da categoria, Renato Furlanetto.

Os proprietários de academia também foram orientados pelo Conselho a criar um sindicato para defender as causas da categoria.

Segundo Renato Furlanetto, duas das 268 academias da Capital conseguiram na Justiça, mandados de segurança para impedir a entrada de personais que não tenham cadastro no estabelecimento.

Sobre a cobrança de taxa dos personais particulares, um dos intefrantes do grupo que representa os donos de academias, Ermitom Yamada, explicou que a cobrança da taxa é feita em determinadas situações e ocorre quando o dono da academia ainda não conhece o trabalho do personal. "Quando o profissional já é experiente e conhecido na área, não utilizamos essa cobrança porque temos confiança em seu trabalho", conclui. 

Atuando na área há 40 anos, a dona de academia Vânia de Azambuja Guimarães considera arriscado permitir a entrada de profissionais que não tenham passado por uma seleção prévia.

“Não queremos prejudicar o trabalho de ninguém, mas precisamos saber quem estamos colocando dentro de nossos estabelecimentos porque se acontece algum problema, também poderemos ser responsabilizados”, diz Vânia.

Apesar de a lei garantir que os donos de academia não sejam responsabilizados por qualquer ato do personal, os proprietários temem a exposição negativa caso algum problema seja registrado envolvendo alunos e o personal particular.

Audiência pública - Renato Furlanetto explica que essa semana os donos de academia se reuniram com o vereador Eduardo Cury, que teria pedido à categoria, sugestões para modificar a lei. "Não queremos modificações, nosso objetivo é que ela seja revogada porque não agradou a nenhum dos lados", afirma.

De acordo com ele, a maioria dos personais consultados também não aprovou os termos da lei, por isso os profissionais estão se unindo para agilizar a realização de uma audiência pública para discutir o assunto.

"Ela precisa ser feita em caráter de urgência, caos contrário o assunto vai cair no esquecimento e ficaremos no prejuízo", diz Renato.  

Já o vereador Eduardo Cury defende a lei e ressalta que o objetivo ao criá-la foi o de coibir a venda casada, prática, segundo ele, adotada pela maioria das academias da Capital. Ele explica que os donos de academias cobram uma taxa para que o personal particular utilize o estabelecimento. "Isso vai contra o Código de Defesa do Consumidor. Se você já paga a mensalidade, não se pode cobrar pela entrada desse personal", ressalta.

No entanto, Cury acredita que a lei pode ser aprimorada, estabelecendo parâmetros para a entrada do personal particular nas academias. "Pode-se, por exemplo, exigir que ele use um uniforme da academia", afirma. Para o vereador, a livre entrada do personal particular pode levar mais alunos para o estabelecimento. "Imagina quantos alunos são atendidos por um profissional desses. Eles podem acabar indo para essa academia", destaca Cury.  

 

Motorista bate em carreta e Voyage e é preso por dirigir alcoolizado
Motorista de 31 anos foi preso por embriaguez na manhã deste domingo (19) após se envolver em um acidente com uma carreta e um Volkswagen Voyage na B...
Assaltante é preso após dar tiro para cima durante roubo a adolescentes
Um homem de 32 anos foi preso na noite deste sábado (19) após render e roubar três adolescentes no Jardim Leblon, em Campo Grande. Durante o crime, o...
Embrigada, motorista joga rádio da polícia no chão e acaba presa
Uma condutora, identificada como Josilene Rodrigues Davila, teve que ser contida por policiais militares após ser flagrada em estado de embriaguez, a...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions