ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, SEXTA  14    CAMPO GRANDE 31º

Capital

Em falta há dois anos, antibióticos básicos voltam à rede pública

Licitação deserta e atraso na entrega são explicações da Sesau sobre o "sumiço" dos medicamentos

Por Cassia Modena | 06/05/2024 11:12
Farmácia em frente à unidade de saíde na Capital é opção para quem pode pagar por medicamentos que estão em falta (Foto: Arquivo/Henrique Kawaminami)
Farmácia em frente à unidade de saíde na Capital é opção para quem pode pagar por medicamentos que estão em falta (Foto: Arquivo/Henrique Kawaminami)

Amoxicilina e azitromicina são antibióticos básicos, que ficaram "sumidos" das unidades de saúde de Campo Grande por dois anos. Segundo confirmou a Sesau (Secretaria Municipal de Saúde) nesta segunda-feira (6), o estoque dos dois medicamentos agora está regularizado.

Como explicação para ficarem tanto tempo em falta, a pasta cita problemas com licitação e entrega atrasada.

"Tais medicamentos apresentavam faltas por diversos motivos, dentre eles a dificuldade de se realizar um processo licitatório, que, por diversas vezes, resultou em deserto, e pelo atraso na entrega dos carregamentos pelas empresas vencedoras do pregão", justifica.

Na relação mais recente sobre o estoque de medicamentos que são de sua responsabilidade comprar, de março deste ano, a Sesau aponta que três apresentações da amoxicilina estavam zeradas e havia somente a opção de pó para mistura em água.

Já quanto à azitromicina, a situação estava melhor. Havia comprimidos e suspensão em pó para uso oral. Faltava o antibiótico em pó para suspensão injetável.

"Cabe reforçar que o estoque de ambos medicamentos, neste momento, está regularizado, e que, de acordo com o último levantamento, a Rede Municipal de Medicamentos (Remume) está com 86% dos medicamentos em estoque, o que resulta em um investimento que quase R$ 8,5 mi empenhados em remédios somente no ano de 2024", finaliza a pasta, em nota.

Problema antigo - Desde 2015, tramita na Justiça uma Ação Civil Pública proposta pelo MPE (Ministério Público Estadual) para tentar resolver o problema da falta constante de medicamentos na rede pública de Campo Grande.

A atual secretária municipal de Saúde, Rosana Leite, foi convocada para falar sobre a falta de medicamentos na Câmara Municipal em 15 de abril. Na data, prometeu resolver o problema em até 40 dias.

“A maioria são anti-hipertensivos e antibióticos. Hoje chegou carregamento diosmina (para circulação). Fiz o diagnóstico e todos os procedimentos burocráticos. Temos cinco licitações em fase final, para a compra de 90 medicamentos diferentes. Quatro atas abertas de registro de preços para a compra de 69 medicamentos e fase de assinatura para 24 medicamentos adquiridos por meio de pregão”, afirmou aos vereadores.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.


Nos siga no Google Notícias