A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

06/09/2011 11:49

Emha fecha as portas em protesto de moradores da Cidade de Deus por casa

Aline dos Santos

O grupo, que na sexta-feira tinha 19 famílias, já aumentou para 23 famílias

Grupo da favela Cidade de Deus protesta por casas em residencial. (Foto: João Garrigó)Grupo da favela Cidade de Deus protesta por casas em residencial. (Foto: João Garrigó)

Um protesto de moradores da Cidade de Deus fechou a Emha (Agência Municipal de Habitação), em Campo Grande, nesta terça-feira. O grupo reivindica casas populares no residencial José Teruel Filho, cuja última etapa foi entregue na sexta-feira.

Ao todo, 362 casas foram construídas no bairro Dom Antônio Barbosa, próximo do Lixão, para que os ocupantes da área de invasão deixassem os barracos.

Depois de protesto no dia da entrega das casas e reunião realizada ontem na Emha, o grupo promete acampar em frente ao prédio da agência, localizado na Travessa Iria Loureiro Viana, Vila Oriente. “A gente só sai daqui com uma resposta bem firme”, afirma Ana Cláudia de Arruda.

O grupo, que na sexta-feira tinha 19 famílias, já aumentou para 23 famílias hoje. Segundo Ana Cláudia, os barracos não foram cadastrados pela equipe de assistência social da Emha porque os moradores estavam trabalhando no Lixão.

“Como não tinha ninguém, marcaram um V de vazio. Mas a gente precisava trabalhar, não podia ficar esperando”, relata. Ela conta que desde então eles tentam a inclusão no projeto das casas populares. Ana Cláudia, que afirma ter cadastro na agência desde 1999, está há oito meses na Cidade de Deus.

A assessoria de imprensa da prefeitura informa que o cadastro das pessoas que seriam removidas dos barracos foi feito há doze meses, portanto, antes da chegada dos manifestantes. O número de casas teve que ser ampliado três vezes para atender a demanda crescente.

Sem teto - Agora, as famílias alegam estar sob risco de ficar sem teto, porque os barracos terão que sair da área já regularizada. “Nem durmo à noite. Tenho medo da polícia chegar derrubando tudo de madrugada”, conta Andriela Aparecida Pereira Rocha Gregório, de 24 anos, que mora com as duas filhas.

Ontem, houve reunião na Emha com as famílias. De acordo com a assessoria de imprensa da prefeitura, o grupo foi convidado para reunião na manhã desta terça-feira no bairro Dom Antônio. Mas parte das pessoas decidiu protestar em frente à agência.

Prédio da Emha foi fechado por questão de segurança. (Foto: João Garrigó)Prédio da Emha foi fechado por questão de segurança. (Foto: João Garrigó)

Portas fechadas – Ainda segundo a assessoria de imprensa, a Emha foi fechada por questão de segurança. A previsão é que o atendimento seja retomado à tarde. Os manifestantes afirmam que foram impedidos de entrar no local pela Guarda Municipal. Os guardas e o grupo permanecem em frente ao prédio.

O residencial teve investimento de R$ 7 milhões. Cada imóvel tem 35 metros quadrados de área construída, com dois quartos, sala, cozinha, banheiro e área de serviço.



Acho que o Governo do Estado faz um excelente trabalho com essas casas. Tenho fé de que todos terão suas casas o mais rapido possivel. Nessa área, principalmente, não tenho o que reclamar do governo, eles não querem mesmo favela em nossa Campo Grande. Agora é esperar o que vai sair na próxima reunião que foi marcada com os moradores da favela...
 
Rosália de Paula em 06/09/2011 06:14:28
Todo manifesto tem que ser pacífico. O governo do estado fez um trabalho magnífico construindo todas essa 362 casas e acho que essas poucas famílias que estão ainda sem casas tem que esperar as reuniões que foram marcadas pela Emha. O governo não deixara com CERTEZA as pessoas desabrigadas e tão menos virão policiais retira-las dos barracos e joga-las na rua.
 
Marcos Antonio Carvalho da Silva em 06/09/2011 06:04:56
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions