ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, DOMINGO  25    CAMPO GRANDE 32º

Capital

Empresário investigado em operação bancou casamento em cruzeiro para 110 pessoas

Sérgio e a noiva, a médica Thaline Neves Coutinho, se casaram em alto mar e a festa durou 4 dias em Búzios

Por Viviane Oliveira | 01/12/2023 08:18
Sérgio e Thaline se casaram em cruzeiro. (Foto: Allan Kaiser)
Sérgio e Thaline se casaram em cruzeiro. (Foto: Allan Kaiser)

Investigado por corrupção, o empresário Sérgio Duarte Coutinho Júnior demonstra que tem dinheiro para esbanjar, pelo menos, desde 2014. Há quase dez anos, ele bancou casamento em cruzeiro, pagando tudo para 110 convidados.

Na quarta-feira (29), ele foi preso com o irmão, Lucas de Andrade Coutinho, em Campo Grande, na Operação Turn Off, deflagrada pelo Gecoc (Grupo Especial de Combate à Corrupção) e Gaeco (Grupo de Atuação Especial e Combate ao Crime Organizado).

Conforme apurado pela reportagem, Sérgio e a esposa médica, Thaline Neves Coutinho, se casaram em alto mar e a festa durou quatro dias em Búzios, no Rio de Janeiro, com bebida e alimentação na conta dos noivos.

Convidados em ônibus fretado que os levou até Santos.
Convidados em ônibus fretado que os levou até Santos.

Quem fez a cerimônia foi o comandante do navio. Durante a viagem, partindo de Santos, São Paulo, os convidados receberam mimos, como kit com iPod, que na época era moderno, comidinhas, guloseima, dramin (para evitar enjoo no navio), kit ressaca e ainda bolsa de praia, glicose e manta.

Já o pacote oferecido pelo cruzeiro incluía, além do buffet, até o valor do comandante à frente da cerimônia, a decoração e o buquê da noiva.

Mas quem ficou em terra não perdeu a festa. Para quem não pôde ir à cerimônia em alto mar, Sérgio ofereceu um jantar antes de partir para a viagem. No dia seguinte, os convidados seguiram para Santos, em dois ônibus fretados.

Lucas e Sérgio, irmãos e empresários, alvos do Gaeco (Foto: Reprodução das redes sociais)
Lucas e Sérgio, irmãos e empresários, alvos do Gaeco (Foto: Reprodução das redes sociais)

Investigação - Os irmãos Coutinho, segundo investigação do Gaeco, seriam os líderes do esquema que já desviou, pelo menos, R$ 68 milhões em recursos dos cofres estaduais. Eles são donos de empresas que concorreram e ganharam várias licitações abertas pelo governo estadual, especificamente, nas secretarias de Saúde e Educação.

De acordo com apuração, os Coutinho negociavam propina para obterem ajuda dos funcionários do governo e vantagem sobre os outros concorrentes. Sérgio Duarte é dono da Maiorca Soluções e, Lucas, da Comercial Isototal Ltda.

A médica Thaline, esposa de Sérgio, também foi citada na investigação como uma das sócias da Isomed Diagnósticos, empresa cujo quadro societário tem 14 pessoas, e também está na mira. Não há contra ela, contudo, mandado de prisão, conforme autos de processo aos quais o Campo Grande News teve acesso.

Prisão - Na operação, desencadeada na quarta-feira (29), foram presas oito pessoas: além dos dois empresários, também estão detidos o ex-secretário-adjunto de Educação, Edio Antônio Resende de Castro, o assessor parlamentar, Thiago Haruo Mishima, o coordenador técnico da Apae (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais), Paulo Henrique Muleta Andrade, afastado do cargo, e as ex-servidoras, exoneradas após a operação, Simone Ramires de Oliveira Castro e Andréa Cristina Souza Lima.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News.

Nos siga no Google Notícias