A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

28/03/2011 10:42

Erosão transforma área na preiferia de Campo Grande em "canyon"

Ricardo Campos Jr.

Cratera tem mais de um quilômetro de extensão e 10 metros de profundidade

Homem que mora há 30 metros da erosão tem medo que a fenda chegue até a casa dele. (Foto: João Garrigó)Homem que mora há 30 metros da erosão tem medo que a fenda chegue até a casa dele. (Foto: João Garrigó)

A erosão provocada pela chuva em uma área de cerrado, no bairro Novo Século, transformou uma terreno com pouco mais de 1 quilômetro de extensão em um verdadeiro cannyon na região da saída para São Paulo.

O buraco tem mais de 10 metros de profundidade e de tão antigo até árvores começaram a brotar dentro dele. O caseiro do clube recreativo do Sinergia (Sindicato dos Eletricitários de Mato Grosso do Sul), Carlos Henrique Santos Ferreira, 62 anos, vive em uma casa há quase 30 metros da cratera.

Ele explica que apesar de próximo, o cannyon não fica na área pertencente ao clube. Quando chegou ao local, há 2 meses, se deparou com a erosão e garante que nesse período de tempo que trabalha na região a fenda já se aproximou pelo menos dois metros casa dele.

“Com essa chuvarada só vai aumentando. Olha que falta pouco para chegar na estrada”, exclama o caseiro.

Existem poucas casas na região próxima ao problema. Nem é possível avistar o local onde termina a fenda. No fundo dela existe um pequeno curso d’água que segue por entre os bancos de areia.

Carlos conta que pela manhã foi necessária a ação do Corpo de Bombeiros para retirar um burro que caiu e ficou preso dentro do buraco por quase 3 dias. “Anteontem uns meninos me avisaram. Eu fui lá e tentei tocá-lo dali, mas não consegui. Hoje chamei os bombeiros”. O trabalho durou cerca de meia hora, de acordo com o caseiro.

 Erosão transforma área na preiferia de Campo Grande em canyon


Delmir, me desculpe mas discordo veementemente de vossa solução...

Está se falando de um processo erosivo muito grave. Primeiramente, deve-se controlar a entrada de água no interior da voçoroca; depois deve-se drenar o lençol freático através de filtros para que a água não forme esses veios que carreiam mais solo do lugar, alargando a voçoroca.
Deve-se também (como se vê na foto que as adjacências do processo não possui edificações) proceder a suavização das margens da voçoroca concomitantemente ao plantio de espécies na flora de remanescentes florestais locais.
Em resumo, essa é uma forma de remediação do problema. É cara, mas duradoura, não exigindo manutenção a longo prazo.
O seu entulho, poderia entrar na fase inicial, na construção dos filtros para a drenagem e rebaixamento do lençol freático, mas mesmo assim sendo selecionado e não em todo o processo.

No campo da engenharia ambiental, medidas preventivas são sempre mais eficientes e econômicas do que medidas corretivas.

Abraço à todos da redação e a você Delmir...
 
Adriano Ferraro em 28/03/2011 05:54:58
Conter uma voçoroca desse porte não é simples como como o Delmir comentou.
Se forem arrojados entulhos de obra dentro do canal, sem dimensões definidas
e estruturadas para escoar a água das próximas chuvas deste ano e dos próximos. Ainda com o aumento do volume e da velocidade de escoamento das águas oriundas dos bairros à montante, o problema ficará multiplicado pelo mínimo por três.
As águas em grande volume e grande velocidade vão se espraiar, atingindo moradias e com certeza formará outra ou mais voçoroca.
Cuidado com os moradores
Conheço bem o problema porque fiz minha monografia de pós-graduação desse tema
Sou engenheiro civil com grande experiência no assunto, com habilitação em portos/rios e canais
Estou à disposição dos senhores para colaborar como profissional e cidadão

 
JUAN LUIZ SOTO OVIEDO em 28/03/2011 05:53:38
uma outra soluçao facil rapida e ecologica seria a colocaçao de um forro de pneus ja inserviveis e la na frente um muro de contençao de pneus de caminhao ja sem uso a propria natureza se encarregaria de fazer o resto e ja se matava dois coelhos, com uma so paulada diminuindo as casas de mosquitos da dengue, falou bicho.
 
iram tabo faria em 28/03/2011 04:51:33
solução fácil, sem envolver recursos. Autorizar a empresas de entulho a depositar os entulhos relativos a restos de construção nessa erosões, com planejamento de contenção em distancias. Em poucos meses resolve o problema. ATENÇÃO, NÃO VAI TER OS RECURSOS PLEITEADOS. Enfim, os politicos não vão adotar a idéia, pois não vai ter recursos.
 
delmir erno schweich em 28/03/2011 01:05:20
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions