ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, SEGUNDA  18    CAMPO GRANDE 22º

Capital

Família aciona Justiça para sepultar funileiro vítima de latrocínio

Sepultamento aconteceu neste sábado, no Cemitério São Sebastião, região norte da Capital

Por Liniker Ribeiro | 02/05/2020 15:45
Campo Grande News - Conteúdo de Verdade

Somente na manhã deste sábado (2) familiares e amigos puderam se despedir do funileiro Adimilson Estácio, de 44 anos, morto por dois funcionários no início do mês de abril. O sepultamento aconteceu 32 dias após o crime, por volta das 10h, no cemitério público São Sebastião, mais conhecido como Cruzeiro, na saída para Cuiabá (MT).

Conforme uma sobrinha da vítima, que pediu para não ser identificada, a família precisou entrar na Justiça para conseguir o direito de enterrar o corpo de Adimilson. Isso porque, depois de ser enterrada pelos suspeitos, a vítima foi encontrada totalmente desfigurada, sendo necessário a realização de exames de DNA para confirmar a identificação.

Com isso, o corpo do funileiro encontrava-se, desde o dia em que foi localizado, no Imol (Instituto de Medicina e Odontologia Legal), da Capital. Familiares lutavam, desde então, para realizar o sepultamento, mas somente nesta manhã a certidão de autorização foi concedida pela Justiça. “O juiz autorizou por conta do tempo”, explica a familiar.

Há 10 dias, em entrevista ao Campo Grande News, a mãe de Adimilson já havia relatado a angústia que sentia por não ter conseguido enterrar o filho antes. “É duro ver meu filho lá, congelado”, desabafou, na ocasião. Segundo ela, o motivo pelo qual os dois homens presos cometeram o homicídio de Adimilson deixou a situação ainda mais trágica.  “Por mil e seiscentos reais!”, indigna-se.

O caso – O corpo do funileiro foi encontrado enterrado numa área próxima ao córrego do município de Rochedo, a 74 quilômetros da Capital, duas semanas após o trabalhador sair de casa e nunca mais voltar.

Os assassinos, segundo a reportagem constatou, desovaram o cadáver no lugar e ainda jogaram a moto da vítima no leito do manancial. Dois homens, funcionários de Adimilson, foram presos pelo crime e tudo teria acontecido depois de a vítima descobrir que um cartão de banco havia sido furtado e compras estavam sendo feitas com ele. O valor gasto chegaria a R$ 1,6 mil.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário