A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

06/09/2012 20:49

Família é despejada de residência no Aero Rancho e se diz vítima de golpe

Elverson Cardozo
Mandado de reintegração de posse ocorreu hoje à tarde. (Foto: Pedro Peralta)Mandado de reintegração de posse ocorreu hoje à tarde. (Foto: Pedro Peralta)
Moradores retiraram portas e janelas do imóvel. (Foto: Pedro Peralta)Moradores retiraram portas e janelas do imóvel. (Foto: Pedro Peralta)

Uma família foi despejada de uma casa localizada no bairro Aero Rancho, em Campo Grande, nesta quinta-feira (6). Os moradores, que estavam no imóvel há cerca de 2 anos, acreditam que foram vítimas de estelionatários.

Segundo o oficial de justiça que foi à residência hoje à tarde, José Hamilton, de 51 anos, o mandado de reintegração de posse foi expedido pela 5º Vara Civil de Campo Grande e assinado pelo juiz Geraldo Santiago, no dia 28 de agosto, após ação ajuizada no início deste ano.

Moradora do imóvel, a manicure Neide Silva Gama, de 26 anos, afirmou que não foi comunicada oficialmente sobre a decisão judicial e se diz vítima de golpe. O terreno - que tem aproximadamente 740 m² e fica na rua Graciliano Ramos - foi adquirido em 2010 pelo valor de R$ 5 mil, conforme relatou.

À época, a dona de casa, diz ter conhecido um homem que se apresentou como corretor de imóvel e a visitou na presença de um advogado. Na versão da mulher, ele teria dito que o terreno não tinha dono, que era de uma empresa que já fechou as portas e que a família poderia entrar, após alguns anos, com recurso de usucapião.

Da transação comercial, o único documento entregue aos novos proprietários foi uma “Escritura Particular Declaratória de Posse de Imóvel Urbano”, datada do dia 13 de outubro de 2011 e assinada pelo “interveniente” – o “corretor” - e o esposo da manicure, Alexandre Porto, de 30 anos.

Entre as informações contidas no documento, algumas se destacam. Alexandre, ao assinar a “escritura”, concordou que estava na casa “em posse mansa e pacífica (sem oposição ou interrupção)” há 10 anos, desde 2000, e que tinha conhecimento de que o imóvel encontrava-se em nome da empresa mencionada pelo suposto corretor.

Manicure Neide Silva afirma que comprou o terreno por R$ 5 mil e pretendia entrar com recurso de usucapião. (Foto: Pedro Peralta)Manicure Neide Silva afirma que comprou o terreno por R$ 5 mil e pretendia entrar com recurso de usucapião. (Foto: Pedro Peralta)

“A gente não tem estudo e as pessoas gostam de enganar”, disse a manicure. “Gastei mais de R$ 20 mil aqui entre terreno e material para construir a casa”, acrescentou.

Diante da decisão, a família saiu da casa, mas, antes, retirou portas e janelas do imóvel que seria demolido. Na residência de três cômodos moravam a manicure, que está grávida de 7 meses, o marido e o filho de 2 anos. “Vamos ficar na casa de parentes”, lamentou Neide.

O advogado responsável por ajuizar ação de reintegração de posse, Gustavo Tolentino, informou que o proprietário do terreno é de Maracaju e tem a escritura há mais de 20 anos.

Bandidos armados com faca usam carro prata para assaltar vítimas
Dois homens armados com faca em um carro prata - com placas HTI-8594 - assaltaram ao menos duas vítimas, na madrugada deste domingo (17), no Bairro C...
Promotoria e prefeitura firmam acordo para recuperar área de preservação
Foi celebrado entre o MPE (Ministério Público Estadual) e a prefeitura de Campo Grande acordo para recomposição da vegetação nativa da área de preser...
Concurso recebe inscrições para 83 vagas técnico-administrativas
Seguem abertas as inscrições para o concurso que oferece 83 vagas para técnico-administrativos em Educação na UFMS (Universidade Federal de Mato Gros...
Vice-governadora visita projeto em que detentos reformam escolas
O projeto "Pintando e Revitalizando a Educação com Liberdade", desenvolvido pelo Poder Judiciário estadual, foi conhecido e elogiado na sexta-feira (...


O Adalberto Alves Villar está certo. Fica muitíssimo difícil acreditar na ingenuidade deste casal. Dá perfeitamente para crer que ele fazia parte consciente do golpe, mas os tais "corretor e advogado" foram mais expertos que a duplinha e saiu rindo dessa. Eu sempre questiono a "experteza" do povo brasileiro que fala bonito, mas faz feio!!! Me dá muito nojo.
 
ANTONIO CARLOS DO NASCIMENTO em 07/09/2012 11:19:04
A questão que falta de estudo ou condição social não é sinonimo de esclarecimento. Qualquer criança não compraria um terreno nessas dimensões pelo valor de 5.000,00. É pedir para ser enganado(a) ou querer levar vantagem em demasia. Venho de família humilde, mas diante de uma proposta dessas tem que chamar a policia e denunciar. Quantos mais nesses 2 anos foram "enganados"?
 
Adalberto Alves Villar em 07/09/2012 08:36:29
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions