ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, QUINTA  29    CAMPO GRANDE 28º

Capital

Família faz rifa para pagar exames de João e que custam até R$ 12 mil

Adriano Fernandes | 17/08/2018 21:06
João já chegou a ficar internado por seis meses. (Foto: Arquivo Pessoal)
João já chegou a ficar internado por seis meses. (Foto: Arquivo Pessoal)

Na busca pelo melhor tratamento da doença do pequeno João Lucas, de 4 anos, que de tão rara, não permite sequer um diagnóstico preciso, família de Bonito faz até rifa para conseguir os mais de R$ 12 mil necessários para realização de exames.

Notada desde o nascimento pela mãe, mas só aos dois meses de idade por pediatras, João tem uma possível “hipotonia”, que na prática, significa a diminuição do tônus muscular e da força. O problema, no entanto, é só reflexo dos sintomas de alguma outra doença ainda mais grave.

“Com 2 meses e meio, ele passou por uma consulta no Hospital Evangélico e o medico já indicou que o João tinha um grave problema, chegando até cogitar uma doença chamada Sindrome de Pompe, que também foi descartada, mas dois dias depois o João foi intubado com insuficiência respiratória e ficou internado por seis meses”, contou a mãe, Mônica Garcete Bessa ao Portal da Educativa.

Desde então a família luta como pode para garantir ao menino o mínimo de conforto, dentro das possibilidades que seu quadro apresentava. “Fizemos campanhas, recorremos judicialmente e conseguimos respirador para levá-lo para casa. Ele teve várias pneumonias de repetição e há 1 ano e meio também teve uma parada cardiorrespiratória, ficou 20 minutos parado, teve que se traqueostomizado de emergência e o que já era difícil ficou ainda mais. Graças a Deus agora ele voltou a enxergar, se alimenta por sonda, mas ele está bem”, acrescenta.

O agravante é que em meio a tantas internações e exames, ainda não foi possível obter um diagnostico correto do caso de João Lucas, o que impede o tratamento adequado e pode fazer com que o quadro evolua.

“Ele já foi diagnosticado com uns dez tipos de sindrome e não se encaixa em nenhuma. Agora, o médico disse que ele está apto para fazer um exame chamado Exoma e o sequenciamento do DNA célula Mitocondrial, porque ele acha que o João tem uma mitocondriopatia (desordens ou doenças causadas pela disfunção das mitocôndrias, podendo afetar no desenvolvimento de qualquer órgão) e muitas são degenerativas”, explica.

O problema que os exames que podem atestar o diagnóstico custam em média R$ 12,8 mil, segundo Mônica. Para conseguir o dinheiro a família está organizando uma rifa, com chocolates da Cacau Show, no valor de R$ 5,00.

Os números estão sendo vendidos em Bonito e em Campo Grande, mas a mãe conta que ainda serão necessárias outras ações para arrecadar o valor. “Eu ainda pretendo fazer um almoço em Bonito, já que minha família é de lá e aqui não conhecemos ninguém”, acrescentou. Interessado em fazer doações e comprar as rifas da família podem fazer contato com a mãe de João Paulo pelo (67) 99252-8081.

Nos siga no Google Notícias