A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

20/05/2013 07:40

Garoto "soldado" de presos da Máxima já roubou, sequestrou e matou

Paula Maciulevicius
Entre a Constituição, o ECA, armas e celulares. A vida de soldado aqui fora e o que aguarda esses mesmos infratores dentro de presídios. (Foto: Marcos Ermínio)Entre a Constituição, o ECA, armas e celulares. A vida de soldado aqui fora e o que aguarda esses mesmos infratores dentro de presídios. (Foto: Marcos Ermínio)

Ele tem 17 anos e 17 tatuagens pelo corpo. Olhos e fala firme. O português denuncia a falta de estudo de quem largou a escola no 6º ano. Considerado ainda adolescente, o rapaz tem nas costas envolvimento em roubo, sequestro, tentativa de homicídio e latrocínio. No currículo, carrega três passagens por Uneis (Unidade Educacional de Internação) e de experiência profissional: soldado de presidiários da Máxima.

Os atos infracionais começaram aos 14 anos, com roubo e não pararam desde então. Usuário de drogas, ele diz que aqui fora só precisa arrumar arma, depois que alguém lá dentro arruma um celular para então cumprir a missão.

O último ato do rapaz foi o sequestro de um comerciante de 47 anos, em fevereiro deste ano, no bairro Carandá Bosque, em Campo Grande. “Eu fiz tudo. Fui eu quem peguei a vítima, levei até a região de Bodoquena. Mas depois ele escapou do cativeiro”, conta.

O caso em questão é de um sequestro em uma madrugada de domingo. A vítima estava em frente ao comércio quando um trio se aproximou e obrigou que ele entrasse no veículo deles. O comerciante foi amarrado em um matagal, amordaçado e ameaçado de morte. No meio da manhã, ele conseguiu se soltar e pedir ajuda em uma casa próxima.

O carro onde os assaltantes estavam foi encontrado na região central da cidade. À época, segundo a Polícia, eles estavam tentando levantar dinheiro para seguir até Miranda. Na situação um rapaz de 23 anos foi preso e o primo, o adolescente que o Campo Grande News agora conta a história. De cara, o garoto se responsabilizou pelo crime.

“A gente entra com ‘corre’ desses caras. É que nem soldado, vai ficar trabalhando para os outros lá dentro”.

Diante da discussão levantada sobre a redução da maioridade penal, que colocaria adolescentes de 16 anos cumprindo pena em presídios, ele diz com propriedade “lá é uma faculdade, pode sair até mais criminoso. Porque o que ainda não sabe, vai aprendendo. Mas lá o bicho pega”.

O garoto admite que a ele não foi oportunidade que faltou. Ele ouviu muitos conselhos dos avós e dos tios. Conversas que entraram por um ouvido e saíram por outro. Mas não esconde a preocupação que tem em cometer deslize a partir de setembro, quando ele faz aniversário. Aos 18, a história é outra.

“Se dá certo tipo de mancada, o bicho pega. O cara entra lá e não sabe o que é uma facção. Só sai se virar crente. Chega lá e não tem dinheiro nem para comprar sabonete, aí tem que entrar pro crime”.

Alto, forte e aparentemente saudável. O adolescente tenta, sem argumento algum, explicar o porquê entrou para o crime. “Parece que é o diabo. Eu entro num caminho e não vejo outra escolha, tem droga no meio é isso que deixa os pensamentos assim”.

O que deixa a equipe perplexa é ver da boca de um adolescente perto de completar a maioridade e que logo estará às ruas novamente, é que não tem medo. “Medo não tenho não. A vida é por ali mesmo. É só chegar e arrumar um celular. A gente entra e põem outro. Deixa de ser soldado”.

O adolescente está há dois meses na unidade de transição, Unei Novo Caminho, em Campo Grande. Ele aguarda decisão do juiz que vai determinar por quanto tempo cumprirá medida socioeducativa. Hoje pelo ECA (Estatuto da Criança e Adolescente), a internação é de no máximo três anos.

Num futuro, se cometer crime e for preso como adulto, o sistema penitenciário do Estado vai recebê-lo. “É sair bem pior do que vai entrar. Já era já. Lá é faculdade. Aqui é escolinha. Pra acabar com a violência? É só Deus voltando”, finaliza.

Dois são presos por sequestrar comerciante e levar para Bodoquena
Um comerciante de 47 anos foi sequestrado na noite desse domingo no bairro Carandá Bosque, em Campo Grande, foi levado para Bodoquena, distante 266 q...
De família de escritores, médico lança amanhã livro com poemas
O renomado psiquiatra Marcos Estevão lança nesta quinta-feira (14) em Campo Grande o livro de poesias "Pedaços de Mim", que é um compilado de poemas....
Renegociação de dívidas com a Águas Guariroba segue sendo realizada
Vai até o dia 29 deste mês a campanha "Fique em Dia", realizada pela Águas Guariroba para renegociar as dívidas que os consumidores têm com a empresa...
Com inspiração japonesa, luzes vão iluminar compras no Centro
Iluminação especial passa a ser adotada, nesta quarta-feira (13), na região central de Campo Grande. Dezesseis estruturas de alumínio, com lâmpadas d...


Se a policia finalizasse o assunto logo de uma vez. Era um problema a menos, um individuo a menos para causar insegurança na sociedade. Mas não, tem que prender, tem que passar por medidas socioeducativas pra inglês ver.
Se a justiça (fajuta) brasileira não resolve, é como ele diz: "Pra acabar com a violência? É só Deus voltando.
 
Renato Gonçalves em 20/05/2013 08:27:03
Oremos para que o rapaz aprenda a lição ou que, caso contrário, deixe esse mundo o mais rápido possível. A sociedade está cansada de tipos como esses, cheios de argumentos.
 
Pedro Manoel em 20/05/2013 08:17:51
Galera, a posição desse rapaz é a pura realidade de nossa sociedade. Falhamos na sua educação, na sua proteção quando criança ainda e pelo o que temos demonstrado em nossos presídios, falharemos na sua recuperação. Aliás, se analisarmos a fundo, já falhamos na sua recuperação social, pois ele é reincidente na medida sócio educativa.
 
Flávio Márcio em 20/05/2013 08:09:08
Pois é, e ainda tem Direitos Humanos que defende bandido assim, que passa a mão na cabeça e diz pobre coitado. Dizem que é falta de oportunidade, estudo, etc, mentira, ele mesmo falou que conselhos bons não faltaram, foi por falta de caráter mesmo, porque é malandro. Tem muito garoto pobre, sem estudo que não vira bandido. Esses meninos se sentem poderosos, se acham o máximo. Não tem que reduzir maioridade penal, tem que se discutir prisão perpétua e pena de morte no Brasil, como é feito nos EUA. E tá com pena? faz parte dos Direitos Humanos? Leva pra casa.
 
Rafael Santos em 20/05/2013 08:01:53
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions