ACOMPANHE-NOS    
JULHO, SÁBADO  24    CAMPO GRANDE 31º

Capital

Apesar de vítima pedir absolvição, homem é condenado por queimar esposa e filha

Mas vigilante cumprirá sentença em regime semiaberto; esposa havia pedido pela absolvição do marido, em júri

Por Liniker Ribeiro | 16/06/2021 17:20
Campo Grande News - Conteúdo de Verdade

Perdoado pela esposa, Maggayver Corrêa Gonçalves, de 35 anos, foi condenado a 8 anos de prisão em regime semiaberto por atear fogo e provocar queimaduras em aproximadamente 40% do corpo da mulher, Elaine Teixeira Gamarra, de 31 anos, enquanto ela amamentava a filha. O réu foi julgado, nesta quarta-feira, na 2ª Vara do Tribunal do Júri.

A sentença proferida pelo juiz Aluízio Pereira dos Santos, levou em consideração a decisão do Conselho de Sentença, que acatou o pedido da defesa e desqualificou as tentativas de homicídio contra esposa e filha, porém, não absolveu o acusado, mesmo após depoimento da vítima pedindo para que o marido fosse livrado.

“Acredito que isso aconteceu por causa da bebida. Ele é um bom pai, tranquilo e nunca havia sido agressivo”, afirmou Elaine, em depoimento, nesta quarta.

Entre condenações e diminuições de penas, Maggayver foi condenado a 8 anos, em regime fechado. Porém, poderá responder o processo em liberdade, já que permanece nesta condição desde abril de 2019, quando sua prisão preventiva foi substituída por medidas cautelares.

Caso - O crime aconteceu por volta das 18h do dia 12 de setembro de 2018, na casa onde o casal vivia com as duas filhas pequenas, na Rua Capitão Airton P. Rebouças, no Bairro São Conrado, em Campo Grande.

À época, Elaine estava grávida de 3 meses, amamentava uma das filhas de 1 ano e 3 meses no quarto, quando após discussão, o marido jogou tíner (solvente de tinta) em seu corpo e ateou fogo.

A criança também foi atingida e sofreu queimaduras de 2º graus nos pés. As duas foram para a Santa Casa, a filha logo recebeu alta, mas ela ficou 28 dias internada .

Condenado hoje, Maggayver trabalha como vigilante e responde a outro processo por estupro.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário