A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

01/06/2016 10:28

Homem que matou ex chora em júri e diz que foi chamado de 'corno'

Viviane Oliveira e Guilherme Henri
Durante depoimento, homem chorou e disse que foi chamado de corno. (Foto: Guilherme Henri) Durante depoimento, homem chorou e disse que foi chamado de corno. (Foto: Guilherme Henri)

Durante julgamento que acontece na manhã desta quarta-feira (1º) no Tribunal do Júri, o caminhoneiro Ney Calisto Ribeiro, 41 anos, réu confesso de ter assassinado a ex-mulher, Sirlei Machado Ferreira, em 2013, chorou e disse que foi chamado de 'corno' pela vítima. O crime aconteceu no dia 25 de maio, na Rua Jabuti, no Jardim Canguru, em Campo Grande. Ele matou com um tiro no peito a mulher com quem foi casado por 10 anos.

Em depoimento, o réu relatou que os dois estavam dormindo em quarto separado há dois meses, porque a mulher não queria mais o relacionamento. No dia do crime, Ney em uma motocicleta seguiu a ex, que foi para a conveniência com uma amiga. Em determinado momento, Sirlei saiu do local com a colega e as duas entraram em uma caminhonete com dois homens.

Ele, então, continuou seguindo a vítima até quando teve a oportunidade de parar ao lado do carro e atirar na mulher, que morreu no local. Antes de disparar, o réu contou que pediu para conversar, mas mesmo assim atirou. “Ela me chamou de corno e na hora fiquei cego”. Ney tem uma filha com Sirlei, que na época do crime tinha 9 anos.

A testemunha Silvana Brandão, ex-cunhada de Ney, disse que ficou surpresa com o crime. “Ele é padrinho da minha neta e sempre foi tranquilo. “Eles pareciam ser uma família sólida, nunca havia presenciado uma briga do casal”.

Motocicleta usada pelo autor no dia do crime foi encontrada abandonada. (Foto: arquivo/ Marcos Ermínio) Motocicleta usada pelo autor no dia do crime foi encontrada abandonada. (Foto: arquivo/ Marcos Ermínio)

Quanto a arma, Ney relatou que tinha o revólver para se defender pois por ser caminhoneiro era assaltado frequentemente. O juiz Aluízio Pereira Santos destacou que o tiro foi certeiro, atingiu o coração da vítima. Apesar do crime ter ocorrido em 2013 a prisão preventiva só foi pedida em 2014 e até agora Ney estava em liberdade.

O caso - Depois de três dias do crime, o caminhoneiro se apresentou junto com um advogado na Deam (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher), confessou ter matado a ex-mulher e justificou dizendo que ficou “cego”. Na época ele contou que a vítima tentou agredi-lo e que, quando percebeu, já havia cometido o crime. Após o homicídio, Ney fugiu em uma Honda Biz que foi encontrada abandonada na avenida Manoel da Costa Lima. Ele não tinha ficha criminal.

Homem que matou mulher por não aceitar separação será julgado nesta quarta
O caminhoneiro Ney Calisto Ribeiro, 41 anos, será julgado nesta quarta-feira (1) pela 2ª Vara do Tribunal do Júri de Campo Grande sob acusação de ter...
Terminal rodoviário de Campo Grande oferece cartões de Natal gratuitos
A rodoviária de Campo Grande, mais um ano, oferece gratuitamente cartões de Natal gratuitamente para os passageiros que passarem pelo local até o pró...
Universidade do MS recebe certificação de excelência em gestão
Será recebida pela UCDB (Universidade Católica Dom Bosco) em solenidade que acontece na próxima segunda-feira (18) o certificado de excelência em ges...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions