A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

01/07/2016 13:41

Hospital particular da Capital será transformado em unidade pública de saúde

Alberto Dias
Unidade do Hospital do Pênfigo no Centro; a matriz, na saída para Sidrolândia, deve ampliar rede pública de atendimento na Capital. (Foto: Marcos Ermínio) Unidade do Hospital do Pênfigo no Centro; a matriz, na saída para Sidrolândia, deve ampliar rede pública de atendimento na Capital. (Foto: Marcos Ermínio)

Toda a estrutra prevista para o Hospital Municipal de Campo Grande, que nunca saiu do papel, será implantada no Hospital do Pênfigo, por meio de convênio de R$ 2,5 milhões com a Prefeitura. Na manhã desta sexta-feira (1), o prefeito, Alcides Bernal (PP), anunciou parceria que deve cumprir, em parte, o deficit de leitos que assola a Capital, com filas de pacientes aguardando internações. Porém, é esperado que metade desta conta seja paga pelo governo estadual.

A instituição vai disponibilizar gratuitamente à população, por meio do SUS (Sistema Único de Saúde), 60 leitos clínicos e seis unidades de terapia intensiva. De acordo com o secretário municipal de Saúde, Ivandro Fonseca, outros 16 leitos de UTI estão em construção no hospital e deverão ser entregues em até seis meses.

Assim, o Hospital do Penfigo servirá de "retaguarda" ao atendimento das nove unidades de urgência e emergência, ou seja, dos CRS (Centros de Referência em Saúde) e das UPAs (Unidades de Pronto Atendimento).

Segundo Ivandro, a expectativa é não deixar pacientes esperando tanto tempo e evitar que busquem na Justiça internações na rede privada que são custeadas pela Prefeitura. "Essas internações em clínicas particulares são muito mais caras, e no Pênfigo nós pagaremos a tabela do SUS", comemora Ivandro, ressaltando que a estrutura do hospital já está à disposição da Prefeitura desde ontem.


Mais leitos - A ampliação de leitos em Campo Grande chegará também a outros hospitais, de acordo com o secretário. Investimentos mensais de R$ 500 mil no Hospital Universitário e de R$ 603 mil na Santa Casa permitirão implantar 10 novos leitos de UTI e 20 leitos de terapia semi-intensiva em cada uma das duas instituições de saúde. Porém, de novo, Ivando da Fonseca diz que aguarda o compromisso do governo do estado em investir o mesmo valor por mês para viabilizar o projeto.

Questionado sobre a responsabilidade da prefeitura com a gestão plena da saúde em Campo Grande, o secretário argumenta: "Gestão plena é uma coisa, é ter autonomia de gerir toda a infraestrutura de saúde pública, isso não exime o governo do estado de fazer seu papel, que inclui a alta-complexidade", disse, acrescentando: "A responsabilidade com a saúde pública é tripartite. A política de financiamento tem que ser dividida entre Município, Estado e União".

Falta de leitos em hospitais públicos faz mais uma vítima em Campo Grande
A falta de leitos nos hospitais públicos de Campo Grande fez mais uma vítima neste domingo (15). Uma mulher de 40 anos com problemas pulmonares foi i...
Ação oferece serviço especial na UBSF do Tarumã nesta terça-feira
A UBSF (Unidade Básica de Saúde da Família) do Tarumã promove nesta terça-feira (12) diversas atividades voltadas para a promoção de saúde da populaç...
Prefeitura e Sebrae fazem estudo em lojas para revitalizar rua 14 de Julho
A prefeitura de Campo Grande a o Sebrae de Mato Grosso do Sul estão realizando na rua 14 de Julho, Centro da cidade, um estudo técnico em 230 lojas, ...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions