A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 23 de Abril de 2019

30/11/2018 17:13

HR diz que deu todo apoio e nega que diretor tenha sido preso

Ministério Público investiga fraudes e licitações e desvios de recursos dos cofres do hospital da ordem de R$ 3 milhões

Gabriel Neris
Gaeco deflagrou operação nesta sexta-feira (Foto: Henrique Kawaminami)Gaeco deflagrou operação nesta sexta-feira (Foto: Henrique Kawaminami)

O Hospital Regional de Campo Grande informou, em nota, que deu “todo o apoio” a Operação Reagente deflagrada nesta sexta-feira (30) e negou que o diretor-presidente Funsau (Fundação Serviços de Saúde do Estado de MS), Justiniano Vavas tenha sido preso.

O Ministério Público investiga fraudes e licitações e desvios de recursos dos cofres do hospital da ordem de R$ 3 milhões. A força-tarefa, composta pelo Gaeco (Grupo Especial de Combate à Corrupção) e Gecoc (Grupo Especial de Combate à Corrupção), foi para as ruas da capital, Ribeirão Preto e São Paulo para cumprir 17 mandados, sendo 3 de prisão e 14 de busca e apreensão, todos expedidos pela 3ª Vara Criminal de Campo Grande.

Justiniano Vavas foi preso em flagrante por posse ilegal de arma de fogo. Também foram presos o gerente do laboratório do HR, Adriano César Augusto Ramires, e o dono da Neoline (empresa de produtos hospitalares), Luiz Antônio Moreira, estes preventivamente.

Em nota publicada no fim da tarde desta sexta, o HR informou que “prestou amplo e colaboração ao MP e aos seus agentes no cumprimento das buscas determinadas pela Justiça Estadual e que apoia toda e qualquer investigação que busque transparência no trato da coisa pública”.

O hospital diz ainda que “observou todas as regras legais pertinentes dos procedimentos licitatórios para aquisição de reagentes químicos possibilitando a realização de exames laboratoriais na população sul-mato-grossense que necessita destes, bem como oportuno também esclarecer que a nova contratação trouxe considerável economicidade ao erário”.

No documento, o hospital aponta que foi encontrada na residência do diretor-presidente da Funsau uma espingarda antiga de valor familiar, justificando sua condução à delegacia.

A força-tarefa investiga crimes de fraude em licitações, peculato, corrupção ativa e passiva e organização criminosa, com empresas na Capital e de São Paulo. O nome da operação tem relação com um dos materiais adquiridos de forma fraudulenta pelo HR, no caso os reagentes químicos utilizados para exames laboratoriais.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions