ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, QUINTA  13    CAMPO GRANDE 31º

Capital

Juiz determina criação imediata de conselhos, sob risco de bloquear verba

MPE pediu a execução imediata de sentença que ordenou estruturação de mais 3 conselhos tutelares

Por Maristela Brunetto e Silvia Frias | 15/12/2023 11:29
Conselho Tutelar Sul, o mais antigo e maior da cidade; desafio é ampliar o serviço (Foto: Arquivo)
Conselho Tutelar Sul, o mais antigo e maior da cidade; desafio é ampliar o serviço (Foto: Arquivo)

O juiz Mauro Nering Karloch, da Vara da Infância, Adolescência e do Idoso, determinou à Prefeitura de Campo Grande que no prazo de cinco dias cumpra a obrigação de criar três novos conselhos tutelares em Campo Grande, sob risco de determinar o sequestro de recursos em caso de descumprimento. Eles já existem no papel e, em agosto, a juíza Katy Braun do Prado julgou o mérito de uma ação civil pública apresentada pela Promotoria da Infância e determinou o cumprimento da obrigação em 60 dias, com multa diária de R$ 5 mil até atingir o limite de R$ 200 mil.

A Prefeitura apelou dessa sentença, pedindo a reforma ou então prazo maior, para criar um conselho por ano. O recurso já está no TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul), mas o caso voltou ao primeiro grau diante do pedido do MP para antecipar a execução da sentença, uma vez que o ano se aproxima do final e ainda não há posição definitiva da Prefeitura sobre a criação dos novos conselhos.

Em outubro houve eleição para conselheiros tutelares, que ocorrem a cada quatro anos, e foram escolhidos 40 nomes, sendo 25 para os cinco conselhos existentes e 15 para os novos. Não há posição sobre a posse desses, somente para os 25, o que gerou muitos debates, envolvendo a Câmara de Vereadores, os candidatos eleitos e o CMDCA (Conselho Municipal da Criança e do Adolescente).

Na decisão do magistrado, ele inclusive quer a manifestação do CMDCA, para que informe sobre a infraestrutura necessária, com dados sobre valores. Na apelação que enviou ao TJ, a prefeitura apontou que precisava conseguir imóvel, adquirir mobiliário, selecionar servidores e destinar um carro para cada conselho novo. Semanas atrás, a prefeitura chegou a publicar no Diogrande que buscava imóveis para atender conselhos.

Essa ordem para execução imediata é um capítulo novo de uma ação que começou em 2018, quando Campo Grande tinha três conselhos instalados e outros previstos no papel. A concretização de mais dois, para chegar aos cinco hoje existentes, veio após o Tribunal de Justiça promover reuniões para mediar o tema com a prefeitura.

Por recomendação do Conanda (Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente), as cidades devem ter uma unidade para cada grupo de 100 mil habitantes. A Capital tem quase 900 mil habitantes e os conselhos que existem estão localizados no Conjunto Aero Rancho, na região da avenida Zahran, na região da Bandeirantes, no Monte Líbano e no Monte Castelo, norte da cidade.

O tema conselho tutelar permaneceu em evidência na Capital este ano após a morte de Sophia, de dois anos, vítima de violência doméstica, com um histórico de atendimentos na saúde pública e dois boletins de ocorrência registrados pelo pai, Jean Carlos Ocampos,  de suspeitas de lesões corporais. O sistema de proteção à infância foi colocado sob questionamento e, desde então, houve muitos debates sobre a melhoria de estrutura dos conselhos existentes e criação de novos, tanto que o CMDCA lançou o edital para a eleição de conselheiros já com nomes para as unidades que não saíram do papel. Os conselheiros são os profissionais que recebem demandas da comunidade e dos próprios órgãos públicos para investigar situações de violação de direitos.

Há cerca de duas semanas, a prefeita Adriane Lopes informou que havia estudos para a implantação dos conselhos, ainda sem fixação de recursos no orçamento. Em audiência pública na Câmara chegou a ser noticiado que o projeto para a estruturação seria enviado à Casa, entretanto o Legislativo começa recesso semana que vem e não houve envio.

Prefeitura não foi intimada- A Procuradoria Jurídica da Prefeitura ainda não foi intimada da decisão, segundo o procurador Alexandre Ávalo Santana. A informação é que segue aguardando a análise da apelação da sentença proferida em agosto, com o pedido de reversão da medida ou concessão de prazo maior que os 60 dias fixados.

O procurador informou, ainda, que se de fato houver a obrigação de antecipar o cumprimento da obrigação, se manifestará nos autos.

Nos siga no Google Notícias