ACOMPANHE-NOS    
ABRIL, QUINTA  02    CAMPO GRANDE 29º
Juiz ordena perícia em invasão da Homex para decidir sobre fornecimento de luz

Capital

Juiz ordena perícia em invasão da Homex para decidir sobre fornecimento de luz

O magistrado também quer ouvir os envolvidos no processo para elucidar questões controvertidas

Por Aline dos Santos | 26/03/2020 09:23
Fios de ligaçõs irregulares foram retirados em 11 de julho do ano passado de área invadida. (Foto: Henrique Kawaminami)
Fios de ligaçõs irregulares foram retirados em 11 de julho do ano passado de área invadida. (Foto: Henrique Kawaminami)

O processo em que a Defensoria Pública pede que a Energisa forneça energia elétrica para 1.100 pessoas na “invasão da Homex”, Jardim Centro-Oeste, região do Jardim Paulo Coelho Machado, em Campo Grande, tem um novo capítulo.

Agora, o juiz 2ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos, David de Oliveira Gomes Filho, determinou perícia para verificar a estrutura existente no local.

De acordo com o magistrado, a prova técnica é para saber se a estrutura existente é suficiente para o fornecimento de energia elétrica, como solicitado pela Defensoria Pública, ou se há necessidade de outras obras estruturais para atender os requisitos técnicos de segurança.

A perícia foi solicitada pela defesa da empresa, que deverá pagar a perícia técnica. Para o trabalho, o juiz nomeou  profissionais da Vinícius Coutinho Consultoria e Perícia.

O magistrado também quer ouvir os envolvidos no processo para elucidar questões controvertidas. No entanto, a audiência só será marcada quando a pandemia do novo coronavírus estiver sob controle.

A ação da Defensoria Pública tramita desde julho do ano passado. Na ocasião, em 11 de julho de 2019, uma ofensiva contra “gato”, ligações irregulares de luz, levaram 120 pessoas à área de invasão: um exército de eletricistas, 70 veículos da Energisa e equipes da PM (Polícia Militar) e do Batalhão de Choque.

Imagem anexada ao processo mostra a área da invasão destacada em vermelho
Imagem anexada ao processo mostra a área da invasão destacada em vermelho

A empresa informou que a questão já se arrastava por dois anos, com queima de até quatro transformadores a cada 15 dias, com princípio de incêndio e risco para os moradores. Em 29 de julho, a Justiça negou liminar para a regularização imediata do fornecimento de energia elétrica.

A Defensoria anexou abaixo-assinado, fotografias que mostra grande número de crianças e receitas médicas de moradores que utilizam medicamentos que necessitam de refrigeração.

A Energisa pediu que a Prefeitura de Campo Grande também fosse parte do processo. Mas a solicitação foi negada.

“O município, por outro lado, não pode ser o garantidor universal de toda e qualquer situação que envolva um grupo maior de pessoas, principalmente se a ação destas pessoas ocorreu à margem da lei e da ordem. Não se trata de ocupação de área pública que necessita de regularização fundiária, mas de área privada”, afirmou o juiz.

De projeto milionário à invasão - A área invadida por 1.166 famílias  é remanescente do projeto milionário da Homex, que veio a Campo Grande com a promessa de construir três mil casas.

A chegada foi precedida por tensão entre a prefeitura e a Câmara Municipal. O ano era 2010 e um projeto para permitir a vinda do grupo, que anunciou investimento de R$ 200 milhões, foi votado com trâmite acelerado.

As mudanças eram para reduzir o tamanho mínimo do terreno, passando de 360 para 250 metros quadrados e aumento da quantidade de casas por condomínio. Mas, já em 2013, o projeto foi abandonado. Depois, os terrenos da empresa, que receberiam os residenciais, foram invadidos.

No começo de 2019, o Campo Grande News mostrou a grande preocupação dos moradores, da ala dos que não se valem da gambiarra, com o número de ligações irregulares. A situação comprometia a segurança, com sobrecarga na rede, danos em equipamentos, risco de choques elétricos e curto circuitos.

Quem comprou os apartamentos e mora nos imóveis concluídos também enfrentou problemas e ações cobram indenização da Homex e da Caixa Econômica Federal.

Cena de protesto após corte de "gatos" em área de invasão.(Foto: Clayton Neves)
Cena de protesto após corte de "gatos" em área de invasão.(Foto: Clayton Neves)