A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

04/12/2014 15:01

Juiz visita e considera favela local impróprio para moradia de famílias

Edivaldo Bitencourt e Eduardo Penedo
Luiz Felipe cumprimenta morador de favela durante vistoria (Foto: Marcelo Calazans)Luiz Felipe cumprimenta morador de favela durante vistoria (Foto: Marcelo Calazans)

O juiz da 2ª Vara de Fazenda Pública e Registros Públicos, Luiz Felipe Medeiros Vieira, foi conferir in loco a situação das famílias da Favela Cidade de Deus, e considerou o local com impróprio para moradia. Ao avaliar a área atual, onde residem cerca de 800 famílias, o magistrado apontou o mau cheiro, a distância do lixão e os barracos precários.

Ele e a promotora de Justiça Jaceguara Passos chegaram à favela e conversaram com as famílias. A dupla analisa a área atual e o novo local no Jardim Noroeste, definido pela prefeitura para a transferência dos moradores, para decidir o futuro das famílias.

O problema começou com a abertura de investigação pelo MPE (Ministério Público Estadual), que considera o atual local como perigoso e impróprio para a instalação dos barracos. Em seguida, a situação se agravou com o corte de energia elétrica pela Enersul. Moradores bloquearam a rodovia e até fizeram protesto em frente à Prefeitura para cobrar luz elétrica e moradias dignas.

Na terça-feira, o juiz Luiz Felipe acatou pedido do MPE e suspendeu a remoção das famílias do Bairro Dom Antônio Barbosa para o Jardim Noroeste.

Ao conferir o local na tarde desta quinta-feira, Vieira classificou o cheiro da favela como “insuportável”. Como fica perto do lixão, a Favela Cidade de Deus sofre o impacto do mau cheiro da montanha de lixo. Outro é o risco de acidente, porque os fios de alta tensão ficam próximos dos barracos.

Na conversa com os moradores, Luiz Felipe Medeiros Vieira perguntou se os moradores trabalham. A maioria informou que sobrevive de bicos, já que catam produtos recicláveis no lixão, ou está desempregada. Muitos sobrevivem com a ajuda do Bolsa Família. Entre as crianças, poucas não freqüentam as aulas.

Segundo um dos 12 líderes da favela, Rodrigo Santos, 33, as famílias consideraram uma grande vitória a visita do juiz à Favela Cidade de Deus. Ele tem esperanças de que o magistrado consiga realizar o sonho do grupo, que é obter a casa própria. “É uma vitória o juiz e o Ministério Público saberem da nossa realidade”, argumentou.

Ele defendeu a permanência dos moradores na região, já que ficam perto de creches, escolas e postos de saúde.
Luiz Felipe concluiu a vistoria e partiu para conferir a situação da área no Jardim Noroeste, que chegou a ser ocupada ontem e foi desocupada na noite pela Guarda Municipal. Ele sinalizou que vai cobrar do município uma solução para o problema. “A prefeitura tem responsabilidade de dar moradia digna para as famílias”, ressaltou.

Morador vê comitiva de autoridades chegando em favela (Foto: Marcelo Calazans)Morador vê comitiva de autoridades chegando em favela (Foto: Marcelo Calazans)
Morador defende a permanência de famílias no Bairro Dom Antônio (Foto: Marcelo Calazans)Morador defende a permanência de famílias no Bairro Dom Antônio (Foto: Marcelo Calazans)



Essa atitude que deveria ser exercida por todos do direito, sair da cadeira e manter contato com as pessoas necessitadas. Mas, o que a maioria quer é ganhar dinheiro, ter status, mamar na teta do estado, através de concurso, quando o dever é o bem estar social, a solidariedade.
 
Kleiton_Ramires em 04/12/2014 16:33:38
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions