A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

25/06/2015 17:53

Justiça proíbe barulho e bloqueio de ruas em protestos de professores

Ricardo Campos Jr.
O TJMS solicitou que os professores não bloqueiem a avenida (Foto: Marcos Ermínio)O TJMS solicitou que os professores não bloqueiem a avenida (Foto: Marcos Ermínio)

O desembargador Romero Osme Dias Lopes, do Órgão Especial do TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul), proibiu os professores de usar instrumentos sonoros, bloquear ruas e impedir o acesso na Prefeitura Municipal durante a greve da categoria. A decisão foi tomada nesta quinta-feira (25) atendendo a um pedido feito pelo município.

Na ação, o Executivo solicitava que os educadores mantivessem distância mínima de 200 metros do Paço pelo menos até que haja uma decisão no processo que irá julgar se a paralisação é legítima. Foi estabelecida multa diária de R$ 20 mil em caso de descumprimento.

O presidente da ACP (Sindicato dos Profissionais da Educação Pública de Campo Grande), Geraldo Alves Gonçalves, afirma que a entidade ainda não foi notificada a respeito da liminar e adiantou que acionará os advogados para que analisem as implicações da determinação.

Impasse - Educadores da Reme (rede Municipal de Ensino) estão em greve para obter o reajuste de 13,01%. O Executivo oferece 8,5%, porém prometeu uma nova contraproposta após ajustar a folha e reduzir o gasto com pessoal, em conformidade com a LRF (Lei de Responsabilidade Fiscal).

Segundo a prefeitura, desde 2011, os professores obtiveram reajustes acumulados de 62,78%, três vezes acima da inflação, que no período ficou em 24,10%. Estes aumentos impactaram em 95% a folha de pagamento dos professores, que passou de R$ 20,7 milhões para R$ 40,4 milhões. O salário-base passou de R$ 1.564.06 para R$ 2.546,06 (de licenciatura).

O movimento grevista alcançou o 28º dia enfraquecido, segundo o município. Apenas 10% das escolas estão paradas, conforme levantamento da Semed, pois das 94 escolas existentes no município, apenas 10 estão totalmente paradas. Os números são diferentes dos divulgados pelo ACP (Sindicato Campo-grandense de Profissionais da Educação).

Para o sindicato, das 94 escolas, 30 estão funcionando normalmente, 55 de forma parcial e 13 aderiram totalmente à paralisação.



Proíbe de chover nas quartas feiras.
 
Chapolin em 29/06/2015 14:07:26
Professores, ordeiramente, como se tem visto não vale.
Invasões, interrupção de trânsito nas rodovias por MST,índios, etc...vale. Vale tudo...!
 
Barbarossa em 26/06/2015 13:22:18
Há, a prefeitura não aguentou o barulho dos grevistas? Enquanto isso dá alvará para diversos bares tocarem música alta ao ar livre a noite inteira, com seus clientes bloqueando garagens, bloqueando a rua no afã de ver e ser visto, com som automotivo lá em cima, urinando nos muros e portões, jogando garrafas e latas nos quintais dos vizinhos e gritando na calçada.

Tinha bar que bloqueava a calçada com cerca metálica para colocar mais cadeiras, invadindo até a calçada dos vizinhos, mas tudo bem, porque o bar tinha alvará da prefeitura.

Deviam abrir um estabelecimento ao lado da prefeitura e alugá-lo para movimentos grevistas, com direito a muita bagunça e som alto.
 
Guilherme Arakaki em 26/06/2015 12:38:07
Mas então o que a justiça quer dizer é que greve, manifestação popular, protesto, tudo isto torna-se ilegal no país da democracia, é isso? Vamos virar Cuba ou a Coreia do Norte, e tudo vai começar pelo MS, que belo exemplo nosso poder público está dando ao resto do país e principalmente à população, deveria haver eleições para juiz e para desembargador, voce faz a prova, é aprovado e aí tem direito de se candidatar ao cargo, por que assim tá dificil...
 
Max em 26/06/2015 08:23:10
Será que esse Desembarcador faria o mesmo com o panelaço?
 
Gilmar em 25/06/2015 18:44:53
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions