ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, SEXTA  19    CAMPO GRANDE 29º

Capital

Liminar suspende licença para instalação de novo aterro sanitário na Capital

Brasil Empreendimentos e não Solurb é verdadeira dona de área onde município autorizou licenciamento

Por Lucia Morel e Maristela Brunetto | 28/11/2023 17:50
Área, demarcada em amarelo, é vizinha ao atual aterro de Campo Grande. (Foto: Reprodução)
Área, demarcada em amarelo, é vizinha ao atual aterro de Campo Grande. (Foto: Reprodução)

Liminar do juiz Marcelo Andrade Campos Silva, da 4ª Vara de Fazenda Pública e de Registros Públicos, suspende o processo de licença prévia para instalação do novo aterro de lixo de Campo Grande, o “Ereguaçu”. O atual espaço, no bairro Dom Antônio Barbosa, está chegando no limite e a Prefeitura de Campo Grande já havia iniciado, com indicação da concessionária CG Solurb, o licenciamento de novo espaço, a Fazenda Gameleira, com 99 hectares.

Entretanto, como foi apresentado pela Brasil Empreendimentos Ltda, ela é a proprietária da área e a arrenda para produtor rural que nela, planta soja.

“Ocorre que se constatou, pelos referidos processos administrativos, que a CG Solurb pretende instalar o empreendimento – e com desapropriação pelo Município – justamente no referido imóvel (…) de propriedade da Impetrante desde 2016, que não tem qualquer vínculo empresarial ou contratual com a CG Solurb e jamais autorizou que seus imóveis fossem utilizados para a instalação do novo aterro sanitário”, afirma a empresa em mandado de segurança que tramita desde o último dia 16 de novembro.

A Brasil Empreendimentos disse ainda que informou sobre essa realidade ao município e juntamente ao processo de licenciamento iniciado para a instalação do novo aterro. Ainda assim, parecer do CMMA (Conselho Municipal de Meio Ambiente) e a Semadur (Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano) foi favorável, em outubro, à concessão de licença prévia para a implantação.

Assim, ainda que preliminarmente, o magistrado concedeu a liminar, já que “pela análise dos documentos que instruem a exordial, é possível verificar que o processo administrativo de licenciamento ambiental do novo aterro sanitário de Campo Grande n. 33686/2020, proposto pela empresa Solurb fora processado sem o cumprimento de requisito essencial para sua propositura”.

Isto é, não apresentou a documentação devida com a matrícula de cada imóvel pretendido em licenciamento e nem mesmo provou ser dona do local. “Veja-se que, pelo dispositivo em comento, sequer poderia ter sido aceita a indicação dos imóveis, ou ter tido início o procedimento administrativo.”

O juiz pondera que a própria Solurb já havia mencionado que parte da área a ser desapropriada para o futuro aterro não era dela, o que foi informado ao município por meio de ofício. Mesmo assim, o CMMA, a Semadur, a Prefeitura de Campo Grande, na pessoa da prefeita Adriane Lopes – que são as três partes citadas como coatoras do ato irregular - aceitaram a indicação da concessionária para prosseguir com o processo de licenciamento.

“Assim, vislumbra-se haver vício no processo administrativo n. 33686/2020, ante a ausência de documentação necessária, sendo absolutamente nulo a partir do momento em que indicados imóveis que não estão à disposição da Solurb”, destaca Marcelo Andrade.

O magistrado então deferiu a liminar solicitada pela Brasil empreendimentos para impedir a continuidade do processo de licença prévia, mas permitindo que a prefeitura inicie procedimento para avaliação e possível licenciamento de outras três áreas apresentadas pela Solurb, mas rejeitadas pelo município, inicialmente, denominadas Três Barras, Santa Paz e Ceroula.

Por contrato de concessão, assinado em 2012 entre o município e a CG Solurb, a concessionária teria que apresentar novos aterros em imóveis de sua posse. Na ocasião do requerimento inicial apresentado pela empresa para a concessão de licença prévia, as três citadas acima foram apresentadas.

A GFLA (Gerência de Fiscalização e Licenciamento Ambiental), entretanto, pediu ajustes e complementações às informações preliminares e então, a concessionária apresentou uma quarta área, justamente a Fazenda Gameleira.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News.

Nos siga no Google Notícias

Veja Também