ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, TERÇA  20    CAMPO GRANDE 27º

Capital

Mãe de jovem morta por namorado em "brincadeira" pede indenização

Crime ocorreu em maio do ano passado após garota ser arremessada de capô de carro

Lucia Morel | 03/09/2022 10:52
Rafael ao lado de advogado quando se apresentou para implantação de tornozeleira eletrônica. (Foto: Kísie Ainoã/Arquivo)
Rafael ao lado de advogado quando se apresentou para implantação de tornozeleira eletrônica. (Foto: Kísie Ainoã/Arquivo)

Um ano e quatro meses após a morte de Mariana Vitória Vieira de Lima, a mãe dela pede na Justiça indenização de R$ 600 mil por danos morais. A jovem foi atropelada pelo próprio namorado em “brincadeira” nos altos da avenida Afonso Pena. Ela estava no capô de veículo conduzido por Rafael Carrelo quando ele perdeu o controle e ela foi arremessada.

No pedido, em nome da mãe de Mariana, Suellen Silva Vieira, evidencia-se que “como não bastasse a trágica morte da filha da autora, o ilícito praticado pelo réu resultou danos materiais de grande  monta ao veículo conduzido por ele, que pertence à autora, ficando totalmente destruído, além de multa no Detran e custos para retirada do veículo, os quais não foram abarcados pelo réu”.

Na petição, também há pedido de indenização por danos morais que “deve representar para a vítima uma satisfação capaz de amenizar de alguma forma o abalo sofrido e de infligir ao causador sanção e alerta para que não volte a repetir o ato”.

Assim, ao todo, somando indenizações material e moral, a família de Mariana quer R$ 606.209,92 de Rafael Carrelo, que em maio deste ano, teve contra si, decisão judicial que manteve julgamento dele junto ao Tribunal do Júri. A defesa dele havia entrado com pedido para que o crime fosse configurado como culposo e não doloso, o que poderia livrá-lo do júri.

O caso – A morte de Mariana aconteceu após atropelamento na madrugada de 15 de maio. A perícia técnica da Polícia Civil constatou que Rafael dirigia a aproximadamente 95 km/h, momentos antes de entrar na curva da Avenida Arquiteto Rubens Gil de Camilo, em frente ao Shopping Campo Grande, onde perdeu o controle da direção, derrapou na pista e bateu no meio-fio.

Mariana estava em cima do capô, foi arremessada no acidente e atropelada pelo namorado. A perícia, no entanto, não conseguiu identificar o momento em que ela caiu.

Segundo o documento, a alta velocidade foi determinante para o acidente e consequentemente para a morte de Marina. Isso porque os exames constataram que o limite de velocidade em que um veículo como o dirigido por Rafael conseguiria fazer a curva com segurança é de 88 km/h. Acima disso, não era possível manter a estabilidade do carro.

Em depoimento, o rapaz negou a intenção de matar, disse que os dois estavam “brincando” e, momentos antes, era ele quem estava em cima do capô do carro, neste momento, conduzido por Mariana.

A Polícia Civil teve acesso a imagens que comprovam a versão do namorado. Rafael vai a júri popular pelo artigo 121 do Código Penal (homicídio simples), combinado com artigo 306 do Código de Trânsito Brasileiro (conduzir veículo sob efeito de álcool).

Nos siga no Google Notícias

Veja Também