ACOMPANHE-NOS    
MARÇO, SÁBADO  06    CAMPO GRANDE 21º

Capital

Maioria acredita que 2020 está sendo mais violento

Crimes impactantes chamaram atenção nos últimos dias e destacaram intensidade do ano

Por Aletheya Alves | 26/11/2020 07:44
Mulher foi agredida por Policial Militar em Bonito. (Foto: Reprodução/Vídeo)
Mulher foi agredida por Policial Militar em Bonito. (Foto: Reprodução/Vídeo)

Além de notícias preocupantes sobre pandemia do novo coronavírus, a violência em 2020 também têm sido intensa. Pensando nisso, o Campo Grande News questionou se os leitores acham que este ano foi mais violento do que os anteriores.

Impactados com ocorrências divulgadas durante os últimos meses, 67% dos leitores dizem acreditar que 2020 também foi pior no sentido da violência. Enquanto 33% acredita que este ano não superou outras épocas.

(Arte: Thiago Mendes)
(Arte: Thiago Mendes)

Relembrando que ainda temos dezembro pela frente, Carolina Oliveira diz que 2020 realmente foi mais violento e que “nem acabou ainda”. Seguindo o raciocínio, Ângela Costa comenta que as ocorrências superaram registros que ficaram na memória, “absurdamente [mais violento]. Estou intoxicada com tanta violência”, diz.

Questionando a forma de entender o cenário, Márcia Pires acredita que a situação não mudou em relação aos outros anos. “Não está mais violento, por conta da pandemia as pessoas desaceleraram e por isso passaram a perceber o quão violenta está a sociedade. Porém a violência está aí há muito tempo”.

De acordo com dados divulgados pela Sejusp (Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública), 2020 já soma 386 homicídios, entre culposos e dolosos, em Mato Grosso do Sul. Já em 2019, de 1º de janeiro até 25 de novembro foram registrados 374 homicídios.

Por outro lado, o número de lesões corporais registradas neste ano são menores do que as do passado. Até agora foram contabilizadas 8.804, enquanto 2019 teve 10.362.

Ilustração do cenário - Depois Clarice Silvestre, se apresentando como namorada, confessar na terça-feira (24) ter matado o chargista Marco Antônio Rosa Borges, seu filho relatou aos policiais que ajudou a mãe a esquartejar, queimar e ocultar o corpo da vítima em Campo Grande.

Outro caso que chocou por motivo diferente foi noticiado pelo Campo Grande News do domingo (22). Câmeras de segurança registraram o tenente André Luiz Leonel agredindo uma mulher algemada com empurrões, socos e chutes. Após a divulgação, o policial foi afastado das funções e investigação está em execução.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário