ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, SEGUNDA  03    CAMPO GRANDE 22º

Capital

Mais restrições sim, "lockdown" não, afirma Marquinhos em transmissão ao vivo

Prefeito disse, sem dar detalhes, que terá de aumentar as restrições, mas que não vai determinar o fechamento total

Por Anahi Zurutuza | 14/07/2020 14:25
Prefeito Marquinhos Tra durante a transmissão ao vivo desta terça-feira (Foto: Reprodução)
Prefeito Marquinhos Tra durante a transmissão ao vivo desta terça-feira (Foto: Reprodução)

O prefeito Marquinhos Trad (PSD) usou a transmissão ao vivo desta terça-feira (14) para por ponto final na especulação sobre se a Prefeitura de Campo Grande decretará ou não lockdown (do inglês, fechar tudo) diante da escalada de casos do novo coronavírus.

Conforme o boletim da SES (Secretaria Estadual de Saúde) divulgado esta manhã, de ontem para hoje, a Capital teve 196 novos positivos. São 4.836 casos no total e 43 óbitos.

Nesta manhã, o Campo Grande News já havia adiantado que a Prefeitura de Campo Grande deve anunciar novas medidas restritivas para tentar conter o avanço da pandemia nessa quarta-feira (15). Mas, não será ainda o bloqueio total, como é chamado o fechamento de quase todos os setores, e manutenção da circulação só de trabalhadores dos serviços essenciais, como saúde e segurança.

“Haverá medidas restritivas, mas não com fechamento de bares e restaurantes, não com fechamento dos shoppings”, confirmou Marquinhos na live de hoje. O prefeito disse que, contudo, será necessário reduzir a circulação de pessoas, “para que continuemos a controlar a pandemia e sobretudo, termos leitos vazios”.

Números - O chefe do Executivo municipal informou que a taxa de ocupação de leitos na cidade se mantém estável há 4 dias. Hoje, dos 241 leitos de UTI (Unidade de Tratamento Intensivo) disponíveis, 176 estão ocupados – 73%.

Disse ainda que o toque de recolher estendido tem surtido efeito na ocupação das vagas hospitalares. Segundo ele, entre os dias 1º e 3 de julho – um sábado, domingo e segunda-feira – quando o horário da restrição de circulação começava às 23h, 84 pessoas foram parar no pronto socorro da Santa Casa de Campo Grande vítimas de traumas. No fim de semana seguinte, o primeiro do toque de recolher a partir das 20h, o número caiu pela metade – foram 41 entradas entre 8 e 10 de julho. “Essas pessoas, uma boa parte delas ocupou leitos de UTI que deveriam estar disponíveis para socorrer as pessoas com a covid-19”, explicou.

Marquinhos  disse ainda que vai ampliar a oferta de leitos, fazendo com que a quantidade de UTIs disponíveis em Campo Grande chegue a 279. "Mas não adianta aumentar leitos, se a população não nos ajudar", afirmou.

Uma morte a cada 8 horas - Desde a semana passada, o prefeito vem alertando que as pessoas não estão obedecendo as regras impostas, incluindo o toque de recolher das 20h às 5h. A cidade teve em 15 dias, 42 óbitos, um a cada oito horas, e diante deste quadro, Marquinhos chegou a falar, por duas vezes, que o lockdown seria a próxima alternativa.

A medida é mal vista por representantes do empresariado, que já estão sob efeitos da crise econômica desde março. Conforme levantado, diante do quadro em geral, a opção a ser adotada é um degrau antes da solução mais drástica. Na prática, seria um retorno ao que já foi adotado em março, com fechamento do comércio.