A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

03/02/2016 11:45

Mau exemplo a vizinhos, pátio de secretaria é paraíso para mosquito

Natalia Yahn
Pátio da Seintrha tem todo tipo de material. Moradores afirmam que nos carros deixados lá, é possível ver água parada. (Foto: Fernando Antunes)Pátio da Seintrha tem todo tipo de material. Moradores afirmam que nos carros deixados lá, é possível ver água parada. (Foto: Fernando Antunes)

Mau exemplo. É assim que os vizinhos da Seintrha (Secretaria Municipal de Infraestrutura, Transporte e Habitação), definem o descaso com o prédio onde funciona a sede do órgão, na Avenida Gury Marques, em Campo Grande.

Enquanto a cidade vive uma epidemia de dengue – além de casos registrados de zika vírus e chikungunya – a Secretaria que deveria cuidar da limpeza na Capital, deixa a desejar. Moradores o bairro onde está a Seintrha – Jardim Monumento – afirmam que possíveis criadouros do mosquito transmissor das doenças, o Aedes aegypti, são constantes no local.

A área da sede compreende uma quadra inteira. Na Rua Emigdio de Campos Widal, que fica atrás da Avenida Gury Marques, a diarista Iolanda Foss Mantovani, 63 anos, diz ter cansado de reclamar. “Já liguei, fui lá dentro do prédio e pedi para limparem. Os moradores se uniram e fizeram abaixo-assinado. Mas nada resolve. Pedem para cuidar do nosso quintal por causa da dengue, mas o deles está desse jeito, cheio de mosquito”.

Ela mora no local há 38 anos, bem antes do local abrigar a Seintrha. “Eu vi essa sujeira toda crescer aí. É resto de ponte, de obra, de tudo quanto é coisa. Agora tem os carros velhos. E também dá pra ver copos, garrafas, marmitex. Vive cheio de sujeira. Quando chove fica cheio de água parada, dá pra ver de longe”, disse Iolanda.

O terreno da Secretaria esta tomado por todo tipo de coisas, além das diversas carcaças de veículos, é possível ver materiais de construção – canos, ferro, tubos e até algo semelhante a uma caixa d'água. Tudo abandonado e sem uso. A área não é fechada, apenas uma alambrado divide a calçada do pátio interno, e por isso é possível confirmar a reclamação de Iolanda e outros vizinhos.

Ronaldo mora e trabalha ao lado da Secretaria, e diz que teve zika em dezembro. (Foto: Fernando Antunes)Ronaldo mora e trabalha ao lado da Secretaria, e diz que teve zika em dezembro. (Foto: Fernando Antunes)

O atendente Ronaldo Pereira, 19 anos, mora e trabalha há 3 anos ao lado da área, na Avenida Guaicurus. Ele diz que os mosquitos estão sempre presentes no dia a dia do bairro, e acredita que a infestação seja por conta da sujeira e o ambiente favorável para proliferação encontrado lá.

“Mosquito tem, aqui é cheio, e só pode vir dali, porque tem mato e lugar com água parada. Eu mesmo peguei zika em dezembro. Minha esposa, dois vizinhos e meus patrões também ficaram doentes”, afirmou Pereira.

O aposentado Carlos Garcia, 66 anos, trabalhou no prédio alvo das reclamações entre 1975 até agosto do ano passado. “É muito entulho e sujeira que foi se acumulando ao longo dos anos. Para a Prefeitura cobrar, ela tem que dar o exemplo e não está dando”, disse.

Alguns trabalhadores até foram vistos hoje (3) no local, porém faziam apenas o corte de grama em algumas partes do terreno. A reportagem procurou o titular da Seintrha, Amilton Cândido de Oliveira, que não recebeu a equipe para explicar a situação.

Em Campo Grande, no último boletim epidemiológico divulgado pela Sesau (no dia 29 de janeiro) foram registradas 4.518 notificações de dengue, com 275 casos confirmados e duas mortes por conta da doença. Já o zika vírus tem 458 casos notificados este ano, com seis confirmações da doença. Também foram notificados 62 casos chikungunya este ano na Capital.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions