A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 20 de Janeiro de 2018

25/10/2015 17:00

Menina de 11 anos é assediada por motociclista e pai reclama de descaso

Flávia Lima e Luana Rodrigues
Entrada do residencial onde a menina foi assediada por motociclista. (Foto:Gerson Walber)Entrada do residencial onde a menina foi assediada por motociclista. (Foto:Gerson Walber)
Pai não foi identificado para que identidade de criança seja preservada. (Foto: Gerson Walber)Pai não foi identificado para que identidade de criança seja preservada. (Foto: Gerson Walber)

Uma menina de 11 anos foi perseguida na manhã deste domingo (25), por um motociclista enquanto voltava de um supermercado no bairro Jardim Morenão. Segundo relato do pai, que é atendente de farmácia e não foi idenitifcado para preservar a identidade da criança, ela contou que havia ido ao supermercado, próximo a residência da família e, na volta, foi abordada por um homem em uma moto azul, que perguntou a ela onde havia escola e posto de saúde no bairro.

Com medo, a menina saiu correndo e foi perseguida pelo motociclista. Ao chegar na rua de casa, ela tocou o interfone no residencial que mora com a família e foi atendida por uma vizinha. Assustado, o homem acabou fugindo, mas antes, chegou a mostrar os órgãos genitais para a criança.

Ao ver a mãe, que trabalha como diarista, a menina começou a chorar e ficou muito nervosa. O pai, que estava trabalhando, só soube do caso porque a mãe ligou avisando.

Indignado, ele telefonou para o serviço de 190 da Polícia Militar e solicitou que as duas escolas do bairro fossem avisadas da presença do motociclista na região, já que, com a aplicação das provas do Enem, ele temia que alguma adolescente fosse atacada pelo homem.

O atendente, porém, disse que não havia necessidade de avisar as escolas e as guarnições. O pai então, por conta própria, ligou nas duas escolas com o intuito de alertar os estudantes. “A Justiça e o serviço público deveriam melhorar a qualidade do atendimento a população. Omitir e não informar um caso desses pode colocar outras pessoas em risco", reclama.

O atendente de farmácia acredita que a polícia deveria ter outra forma de verificar denúncias desse tipo, até para evitar acidentes. "Se eu estivesse em casa, provavelmente procuraria esse cara no bairro e se encontrasse, poderia matá-lo", ressalta.

Ainda nervosa, a mãe da menina diz que a filha ficou com muito medo e que agora se preocupa com o trajeto dela até a escola. A diarista disse que é comum no bairro ocorrências de estupro e reclamações de assaltos. 

 

 

 

 

 

 

Assédio de PM a menina de 13 anos ainda nem começou a ser investigado
Registrada como pertubação de sossego, a denúncia de assédio da mãe uma menina de 13 anos, contra um policial militar de 44, ainda nem começou a ser ...
Cadastro de biometria aos sábados começa amanhã em Campo Grande
Visando evitar que o eleitor o cancelamento de títulos de eleitores que não realizaram o cadastramento biométrico obrigatório em Campo Grande, o TRE-...


Sociedade Campo-grandense, vocês tem que apreender a ligar para o gabinete do Secretário de Segurança Pública, afinal ele disse que não adianta investir em segurança, pois o aumento da criminalidade está ligado à crise nacional.
Ou então cobrem do Governador, saibam que o mesmo acaba de licitar R$ 35.000.000,00 (milhões) em propaganda para se gastar em seis meses.
Enquanto isso, nosso secretário faz pechincha para comprar viaturas para a polícia trabalhar.
 
TOYOSHI SATO em 26/10/2015 11:16:54
Se o Pai pegasse garanto que iria aparecer um monte de Viaturas para dar Apoio e Proteger o Malandro.
Sempre que a população necessita de um auxilio da PM nunca tem viatura é sempre a mesma conversa.
 
Clebe PL em 26/10/2015 09:30:22
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions