ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, SEGUNDA  15    CAMPO GRANDE 23º

Capital

Mesmo gratuito, rápido e fácil, teste de infecções sexuais ainda é tabu

Maioria diz que não precisa de exame em ação que espera atender 200 caminhoneiros na estrada, hoje e amanhã

Caroline Maldonado e Bruna Marques | 15/09/2022 11:37
Profissinal da saúde coleta amostra para teste de IST durante o programa “Saúde na Estrada” (Foto: Kísie Ainoã)
Profissinal da saúde coleta amostra para teste de IST durante o programa “Saúde na Estrada” (Foto: Kísie Ainoã)

Entre as 87 pessoas que procuraram o programa Saúde na Estrada, desde às 8h de hoje (15), apenas 12 fizeram teste de infecções sexuais e todas tiveram resultado negativo. A maioria se preocupa em descobrir se tem diabetes, pressão alta e outros problemas, mas o exame de IST's (Infecções Sexualmente Transmissíveis), mesmo sendo gratuito, fácil e com resultado na hora, ainda parece ser um tabu.

A carreta, que oferece vários exames e vacina da covid-19, está estacionada no pátio do Posto Platinão, na BR-163, no Km 459, na saída para São Paulo (SP). Os serviços gratuitos são oferecidos hoje e sexta-feira (16), das 8h às 17h.

O público alvo são os caminhoneiros, mas qualquer pessoa que passar pelo local pode fazer os exames ou tomar dose da vacina. Até às 15h45, serão aplicadas as vacinas contra covid-19, Influenza, Hepatite B, Difteria, Tétano e a tríplice viral.

Quem chega ao local, elogia e aproveita para fazer diversos exames, mas a maioria diz que não vê necessidade de fazer teste de infecções sexuais.

Caminhoneiro há 26 anos, Givaldo Moreira, de 47 anos, saiu de casa no Bairro Aymoré só para aproveitar os serviços.

“Para mim é muito bom esse tipo de ação, pois não temos tempo de ir ao posto de saúde com frequência. Deveriam ter esse atendimento em vários pontos do Brasil, porque facilita muito. Vim tomar vacina e fiz exame de glicemia, que não deu alteração. O teste de IST não vou fazer, porque não acho necessário para mim”, disse Givaldo.

Caminhoneiro Givaldo Moreira no Posto Platinão (Foto: Kísie Ainoã)
Caminhoneiro Givaldo Moreira no Posto Platinão (Foto: Kísie Ainoã)

Os exames serviram de alerta para o representante comercial Paulino Victor, de 40 anos, que mora em Presidente Prudente (SP) e passou pelo posto em viagem para atender clientes em Campo Grande.

"Fiz a aferição da pressão, exame de diabete e oftalmológico. O teste de IST não quis fazer porque não tenho nenhum tipo de suspeita. Sou casado há 23 anos e nunca tive nenhuma intercorrência. Acho que é muito válido esse tipo de atendimento, porque estamos sempre na estrada e não temos tempo de ir ao médico. Eu mesmo sou diabético há 14 anos e estava há 6 meses precisando passar pelo médico para fazer exame e não conseguia”, contou Paulino.

Representante comercial Paulino Victor no Posto Platinão (Foto: Kísie Ainioã)
Representante comercial Paulino Victor no Posto Platinão (Foto: Kísie Ainioã)

Com a glicemia alta, ele faz o controle por aparelhos e toma medicamento, mas hoje descobriu que a pressão que sempre esteve normal também está alta. “É um alerta e agora vou ter que procurar um médico. Meu exame de vista deu alteração mas só vou saber o resultado em 24h pela internet, por meio de QR code”, detalhou.

Segundo o coordenador do programa Saúde na Estrada, Ronnie Bressiani, as ações com a carreta são da rede de postos Ipiranga e há 15 anos roda o Brasil. “A ideia é ir aonde o caminhoneiro está, porque eles ficam mais na estrada e no posto do que na casa deles”, disse.

Apesar da pequena procura até o momento, ele acredita que o tabu com relação aos testes de infecções transmissíveis foi quebrado. Ele espera que 200 caminhoneiros façam os testes hoje e amanhã.

"Há 15 anos, quando começamos a fazer esses testes, a gente fazia 10 ou 15 por dia e hoje fazemos 200 ou 300 em um dia. Tem muita adesão”, comentou Ronnie.

Coordenador do programa Saúde na Estrada, Ronnie Bressiani (Foto: Kísie Ainoã)
Coordenador do programa Saúde na Estrada, Ronnie Bressiani (Foto: Kísie Ainoã)

Além da aferição de pressão, vacinas e testes de IST e glicemia, o programa oferece oximetria, testes de visão, bioimpedância, cadeiras de massagem e uma palestra com a PRF (Polícia Rodoviária Federal).

Aumento de casos - Os testes de infecções sexualmente transmissíveis também são oferecidos nas UBS (Unidades Básicas de Saúde) da cidade, segundo a gerente técnica do departamento de HIV Aids da Sesau (Secretaria Municipal de Saúde), enfermeira Isabelle Mendes de Oliveira.

“Os números de casos dessas doenças têm aumentado na Capital, em especial de sífilis. Hoje, temos mais de 5 mil pessoas com HIV (Vírus da Imunodeficiência Humana) e neste ano tivemos 360 novos casos de pessoas que estão sendo tratadas na rede primária”, comenta Isabelle.

Gerente técnica do departamento de HIV Aids da Sesau (Secretaria Municipal de Saúde), enfermeira Isabelle Mendes de Oliveira (Foto: Kísie Ainoã)
Gerente técnica do departamento de HIV Aids da Sesau (Secretaria Municipal de Saúde), enfermeira Isabelle Mendes de Oliveira (Foto: Kísie Ainoã)

Ela recomenda que as gestantes também busquem fazer testes, pois o tratamento evita a transmissão da doença para o filho.

Quem precisa de tratamento pode buscar a UBS mais próxima de casa. O teste de IST é feito por meio de um pequeno furo no dedo e o resultado sai em torno de 15  minutos.

IST - Há diversos tipos de infecções sexualmente transmissíveis, mas os mais conhecidos são herpes genital; cancro mole (cancroide), HPV, DIP (Doença Inflamatória Pélvica), donovanose, gonorreia e infecção por clamídia, LGV (linfogranuloma venéreo), sífilis, infecção pelo HTLV e tricomoníase, conforme o Ministério da Saúde. Clique aqui para saber mais sobre essas doenças.

Nos siga no Google Notícias