A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 17 de Janeiro de 2019

14/10/2015 12:05

Morando nos fundos de igreja, menino que esfaqueou irmão não era violento

Filipe Prado e Luana Rodrigues
Crianças vivem com mãe e padastro nos fundos de uma igreja. (Foto: Fernando Antunes)Crianças vivem com mãe e padastro nos fundos de uma igreja. (Foto: Fernando Antunes)

O menino de 11 anos, acusado de esfaquear o irmão de 13 após uma discussão pelo controle remoto da televisão na tarde de terça-feira (13), na casa deles que fica aos fundos de uma igreja evangélica, no Bairro Coronel Antonino em Campo Grande, nunca precisou receber atendimento do Conselho Tutelar e não era considerado "violento". Filhos de pastores, os vizinhos apontaram que o menino e o irmão são crianças "normais", brincavam com crianças da rua e nunca mal educados com as pessoas.

Gercina Bispo de 67 anos, contou que as crianças sempre agiram normalmente. (Foto: Fernando Antunes)Gercina Bispo de 67 anos, contou que as crianças sempre agiram normalmente. (Foto: Fernando Antunes)

Hoje pela manhã, o Campo Grande News foi até a casa da família e encontrou o padrasto da criança, que se identificou apenas como Silvio. Ele afirmou que não gostaria de comentar sobre o caso, por estar cansado, já que passou a noite na delegacia. Mas assegurou que a polícia já os procurou e eles estão prestando todos os esclarecimentos.

Vizinha das crianças, Gercina Bispo de 67 anos, contou que as crianças sempre agiram normalmente, por isso o caso deixou todos os vizinhos chocados. “Elas brincam o tempo todo, não são mal educadas. O mais novo é agitado, porém é uma criança normal”, comentou a mulher.

Janaina Pereira de Oliveira, do Conselho Tutelar Norte, disse que a família foi convocada para conversar e deve ir ao Conselho hoje ou amanhã. "Vamos tentar identificar se houve alguma negligência por parte dos pais. E também saber o porquê a criança agiu de maneira tão violenta, saber a realidade em que ele vivia..." explicou.

A conselheira assegurou que os meninos nunca haviam sido atendidos, não acumulando registros. Ainda apontou que este tipo de crime, onde crianças usam armas e agem com violência, não são comuns, sendo essa a primeira vez neste ano.

O adolescente de 13 anos continua internado na Santa Casa, acompanhado pela mãe.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions