ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, TERÇA  16    CAMPO GRANDE 29º

Capital

Morto em acidente, Raimundo era “braço direito” de viúva que já perdeu 4 filhos

Do Nordeste, mãe veio para Campo Grande em busca de filha roubada e viu outros filhos morrerem de doenças

Por Caroline Maldonado e Ana Beatriz Rodrigues | 02/07/2022 14:21
Mãe de Raimundinho, Maria Conceição da Paes, de 73 anos, durante velório (Foto: Alex Machado)
Mãe de Raimundinho, Maria Conceição da Paes, de 73 anos, durante velório (Foto: Alex Machado)

Morto atropelado por ônibus no Jardim Zé Pereira, aos 41 anos, Raimundo Nonato da Paes Rocha, conhecido como “Raimundinho”, é o quinto filho falecido da nordestina Maria Conceição da Paes, de 73 anos, que já perdeu também o marido, em decorrência de um câncer na garganta. Nascida no Rio Grande no Norte, ela veio para Campo Grande à procura de uma filha que foi roubada aos 15 anos de idade, no Maranhão.

Depois de encontrada, a filha voltou para o Maranhão com o marido, mas está na cidade há dez dias, porque ficou viúva e veio morar com a mãe. Aqui em Campo Grande, a mãe tem apenas outro filho, que mora junto. Ao todo eram nove filhos e os outros quatro morreram de doenças.

Chorando muito, Maria conta que Raimundinho estava de cadeiras de rodas porque foi atropelado há mais de uma semana e teve um dos pés quebrado. “Ele bebia muito, mas era trabalhador. Parou para descansar numa calçada e um motorista de um carro não viu e deu ré”, conta.

Há dois anos, Raimundinho tratava uma tuberculose. O irmão, José André, tem epilepsia e há pouco tempo descobriu que tem cirrose por conta do excesso de bebida alcoólica.

Depois de tantas perdas, o velório de Raimundinho tinha cinco pessoas no início desta tarde. Maria, André, a irmã, Sandra da Conceição Paes, de 38 anos, com a filha e o namorado dela.

Sandra conta que a mãe vai precisar de muito amparo, porque Raimundinho era muito querido e ainda ajudava bastante em casa, com o dinheiro que recebia coletando materiais recicláveis, já que a aposentadoria de Maria não dá conta de manter a família e o outro filho está desempregado.

“Aproveitei cada momento com eles. Sei que ele está num lugar bom. Agora tenho que ser forte para dar força para minha mãe”, disse Sandra.

Irmã de Raimundinho, Sandra da Conceição Paes, de 38 anos (Foto: Alex Machado)
Irmã de Raimundinho, Sandra da Conceição Paes, de 38 anos (Foto: Alex Machado)

Atropelamento - Maria estava dentro do ônibus que atropelou Raimundinho, ontem (1º). Ela iria encontrá-lo em um ponto a frente para irem à UPA (Unidade de Pronto Atendimento), quando aconteceu o acidente. O cadeirante passou na frente do ônibus e o motorista não conseguiu frear a tempo.

Ela lembra que ficou desesperada e teve que ser socorrida. Na UPA, ela encontrou o filho José André, que também passou mal e teve uma crise de epilepsia quando recebeu a notícia da morte do irmão.

“Desci do ônibus, ergui a cabeça dele e coloquei no meu colo. Coloquei a mão no coração e já estava bem fraquinho. Falei ‘meu filho não me deixa, você é tudo de importante que tenho nessa vida”, lembra Maria, aos prantos.

Vídeo de câmera de segurança mostra o momento do acidente:


Nos siga no Google Notícias