A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

26/09/2016 18:26

MPE abre inquérito sobre fiscalização e concessões a vendedores ambulantes

Anny Malagolini
Dem ser esclarecidos ainda quais são os critérios para a aquisição de box no camelódramo (Foto: Arquivo)Dem ser esclarecidos ainda quais são os critérios para a aquisição de box no camelódramo (Foto: Arquivo)

O MPE (Ministério Público do Estado) abriu inquérito civil para apurar suposto esquema de irregularidade entre a Agetran (Agência Municipal de Transporte e Trânsito) e a AVA (Associação dos Vendedores Ambulantes de Campo Grande) para facilitar a concessão de autorizações. O órgão converter o procedimento preparatório em inquérito civil em publicação oficial nesta segunda-feira (26).

De acordo com a investigação, o atual diretor-presidente da Agetran, Elídio Pinheiro, e o secretário da Semadur, Rui Nunes da Silva Júnior, terão que esclarecer como é realizada a fiscalização e a concessão de permissões para a venda nas ruas e em terminais de transbordo, como também quais são os critérios para a aquisição de box no camelódromo.

A 29ª Promotoria de Justiça deu 10 dias para que o município se manifeste no sentido de atender ou não a recomendação, informando os prazos para o encaminhamento da resolução. O descumprimento da solicitação pode motivar interposição de medidas administrativas e judiciais.

Em novembro do ano passado, a transferência de autorizações de comercialização no camelódromo de Campo Grande também entrou na mira do MPE. Na época, o órgão deu início a investigação de como é feito o procedimento e recomendou ao município, que emita uma resolução estabelecendo regras claras para as concessões.

Regras – Em julho do ano passado, decreto regulamentou a Lei Complementar 225, de março de 2014, que permite a exploração do serviço. Foi permitido três vendedores ambulantes por plataforma. Eles deverão pagar taxas, não ter antecedentes criminais e obter credencial na Agetran.

O decreto permite a venda de alimentos, roupas e artigos de utilidade doméstica. Os vendedores deverão trabalhar por turno e nos limites definidos pela agência. Segundo o decreto, quem trabalhar fora da área delimitada, que pode chegar a 1,2 metro quadrado, poderá ter a autorização cassada.

O vendedor também perde o direito de comercializar produtos se for flagrado fumando ou bebendo dentro dos terminais. Eles também não podem comercializar os pontos definidos pela Agetran nos setes terminais.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions