ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, SEGUNDA  19    CAMPO GRANDE 30º

Capital

Na Capital, pacientes esperam até 9 dias "na fila" por vaga em hospitais

Segundo a Sesau, hoje há 122 pacientes na regulação e diminuir fila depende da liberação de leitos nos 2 hospitais que atendem SUS

Por Ana Paula Chuva | 18/09/2020 16:04
Pacientes aguardando atendimento em Upa da Capital. (Foto: Henrique Kawaminami)
Pacientes aguardando atendimento em Upa da Capital. (Foto: Henrique Kawaminami)

Depois de meses esperando superlotação nos hospitais por conta da covid, a fila de pacientes aguardando vaga no sistema público de saúde da Capital é de pessoas com muitas outras doenças.

Um dos agravantes é o fechamento do Hospital Regional para cirurgias eletivas. Só Santa Casa e HU estão recebendo pacientes não-covid. O HR justifica que segue fechado porque os números da doença seguem altos.

Segundo a Secretaria de Saúde, hoje o sistema de regulação tem 122 pacientes de postos de saúde estão esperando vaga em hospitais. Desses, o que aguardava há mais tempo estava no Cenort (Centro Ortopédico Municipal) há 9 dias, mas foi transferido para o Humap (Hospital Universitário Maria Aparecida Pedrossian) nesta manhã.

Depois dele há um paciente na fila há oito dias, sendo avaliado no sistema como “prioridade 2”, ou seja, não se trata de um caso urgente. E a diminuição dos pacientes na regulação depende apenas  da rotação dos leitos hospitalares, segundo a Sesau.

A Sesau ressalta que os pacientes aguardam pela regulação nas Upas (Unidades de Pronto Atendimento), CRSs (Centros Regionais de Saúde) e no Cenort,l ocais com melhor estrutura.

Ontem Santa Casa enviou imagem de hospital lotado. (Foto: Divulgação)
Ontem Santa Casa enviou imagem de hospital lotado. (Foto: Divulgação)

Mutirão - Na manhã de hoje, a Santa Casa realizou uma força-tarefa para liberar vaga para 30 pacientes considerados mais graves, ao Campo Grande News o hospital chegou a afirmar que pelo menos 189 pacientes estariam no sistema da Sesau esperando vagas.

 “Temos capacidade física com essa liberação de vagas, mas estamos com a capacidade assistencial sobrecarregada”, explicou o superintendente da gestão medico-hospitalar da Santa Casa, Luiz Alberto Kanamura, sobre a falta de funcionários.

Ele ainda disse que dos 635 pacientes que estavam internados na quarta-feira (16), quando o hospital anunciou o possível colapso, o número caiu para 575, além de 27 pacientes ortopédicos aguardando cirurgia e 15 a espera de avaliação clínica.

“O descaso vem aumentando com o tempo. É uma situação que não vem de hoje, a pandemia agravou e trouxe a tona o problema da atenção básica de saúde. São pacientes de trauma, cardíacos e outras especialidades graves que estão esperando e podem ter sequelas, inclusive correm risco de morte”, explicou.

Tempo de espera – A Sesau explicou que o tempo de espera de cada paciente varia de acordo com a prioridade e disponibilidade dos leitos nos hospitais.

Casos que são prioridade 1, ou seja, de risco iminente de morte como infarto, AVC (acidente vascular cerebral) e traumas graves são regulados com maior urgência o que pode gerar em uma espera maior do que a esperada pelo paciente.

 “Durante o tempo em que o paciente permanece nessas unidades, ele tem todo o apoio necessário da equipe de saúde da unidade”, finalizou a secretaria.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário