ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, SEGUNDA  26    CAMPO GRANDE 23º

Capital

Na Capital, profissionais da Enfermagem protestam em defesa ao piso salarial

A próxima ação, ainda sem data definida, está prevista para acontecer na Santa Casa de Campo Grande

Izabela Cavalcanti | 09/09/2022 11:38
Profissionais da Enfermagem prostestam para manter piso salarial (Foto: Marcos Maluf)
Profissionais da Enfermagem prostestam para manter piso salarial (Foto: Marcos Maluf)

Profissionais da Enfermagem estão protestando na manhã desta sexta-feira (9), a favor do piso salarial. A concentração nacional começou às 10h, na Praça do Rádio Clube (Avenida Afonso Pena), e segue até às 14h30. No local, cerca de 100 pessoas estavam vestidas de preto e branco.

A programação será realizada até o dia 16 de setembro, quando se encerra o julgamento da decisão que suspendeu o reajuste salarial da categoria.

A próxima ação, ainda sem data definida, está prevista para acontecer na Santa Casa de Campo Grande.

Para o presidente do Siems (Sindicato dos Trabalhadores na Área de Enfermagem de Mato Grosso do Sul), Lázaro Santana, o movimento é para abrir os olhos das autoridades para que votem à favor.

“Nós esperamos alcançar essa mobilização a nível nacional, para que ela chegue até os demais ministros Eu entendo que a categoria está muito mais unida hoje em dia, lutando por um projeto que vai ser aprovado, hoje nós temos uma lei que já existe. Estamos conseguindo mobilizar praticamente todo o Estado. Não só Campo Grande e outros municípios também estão fazendo essa mesma mobilização”, destaca.

Santana ressalta ainda que a categoria não tem qualidade de vida e está abandonada. “Falta mais olhar para a categoria. Hoje nós não temos qualidade de vida. São mulheres que tem dupla, tripla jornada. O que nós temos, na verdade, é uma sobrecarga de trabalho, temos salário muito baixo e para compensar nós temos que ter um segundo vínculo”, dispara.

Esse é o caso da Técnica de Enfermagem, Micchelle Coutinho, de 40 anos. Ela trabalha em Home Care, e para conseguir ter um salário digno para ajudar a sustentar a família, precisa ter pelo menos três pacientes.

“Isso aqui é nossa luta pela qualidade de vida. As vezes ficamos doente e temos que ir trabalhar mesmo assim, porque não tem quem substitua. Só durma uma noite em casa, tenho criança pequena, não tenho qualidade de vida”, lamenta.

No local, tem caixão e cadeira de roda, representando a morte da classe (Foto: Marcos Maluf)
No local, tem caixão e cadeira de roda, representando a morte da classe (Foto: Marcos Maluf)

Outro caso é o da Alice Vilalva de Oliveira, de 54 anos, que precisa ter tripla jornada para conseguir ter salário de mais de R$ 2 mil.

“Pego plantão, faço home care, pego o que for para poder dar conta de tudo. Nós esperamos que nosso piso seja aprovado, porque perdemos colegas na pandemia, lutamos muito e agora fala que nós não temos direito. E o salário desses ministros está bem gordo. Nós vamos conseguir”, diz confiante.

Entenda - O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), Luis Roberto Barroso suspendeu, no dia 4 de agosto, a Lei n° 14.434/2022 do novo piso salarial para a categoria, dando o prazo de 60 dias para que entidades públicas e privadas apontem o impacto financeiro, os riscos de demissões e eventual queda na qualidade do serviço.

Os Conselhos Federal e Regionais de Enfermagem entraram com ação para derrubar a Medida Cautelar do ministro do STF.

A lei estabelece que enfermeiros devem receber, no mínimo, R$ 4.750 por mês. Técnicos de enfermagem devem receber, ao menos, 75% disso (R$ 3.325). Já auxiliares de enfermagem e parteiras têm de receber, pelo menos, 50% desse valor (R$ 2.375). O novo valor deveria ser pago já em setembro.

Nesta sexta-feira, o STF começou a julgar a suspensão da Lei. A decisão será levada para análise dos demais ministros do Supremo.

Nos siga no Google Notícias