A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

21/05/2016 17:36

Na Marcha da Maconha, movimento pede mais liberdade de expressão

Antonio Marques e Luana Rodrigues
A marcha da maconha reuniu mais de 100 pessoas nas ruas do centro da Capital, na maioria adolescente (Foto: Alcides Neto)A marcha da maconha reuniu mais de 100 pessoas nas ruas do centro da Capital, na maioria adolescente (Foto: Alcides Neto)

Com gritos de “Ei polícia, a droga é uma delícia” e carregando cartazes e faixas, mais de 100 pessoas, maioria de adolescentes, caminharam pelas ruas do centro da Capital no final da tarde de hoje(21), em mais uma Marcha da Maconha. Os participantes aproveitaram o movimento para criticar a atual situação política no País e pedir mais liberdade.

Os manifestantes se concentraram na Orla Ferroviária, em frente a Morada dos Baís. A partir das 16h30 iniciaram a marcha pela Avenida Afonso Pena no sentido a Rua 14 de Julho, onde permaneceram sentados no meio da via por alguns minutos. Estava na programação caminhar até a Rua Barão do Rio Branco, por onde iriam retornar pela contra mão até o local da concentração.

O ator e músico Eduardo Miranda, 31 anos, mais conhecido como Dudu, um dos organizadores da marcha, disse que o objetivo é chamar a atenção dos políticos por conta da atual situação política no país. “Existe uma certa preocupação dos movimentos sociais em relação a liberdade de expressão. Portanto, isso aqui é muito mais que uma marcha a favor da libertação da maconha, é o momento de ir para o embate contra essa política de opressão do atual governo”, declarou.

Segundo Dudu, os manifestantes querem mostrar que muito mais que a maconha, a corrupção traz mais prejuízos à população. “Nós repudiamos toda a situação política em nosso país, do nosso Estado e, principalmente do município”.

A concentração da marcha, que reuniu em sua maioria jovens, aconteceu na Orla Ferroviária, em frente a Morada dos Baís (Foto: Alcides Neto) A concentração da marcha, que reuniu em sua maioria jovens, aconteceu na Orla Ferroviária, em frente a Morada dos Baís (Foto: Alcides Neto)
Jovens preparam os cartazes e faixas na concentração da marcha da maconha (Foto: Alcides Neto)Jovens preparam os cartazes e faixas na concentração da marcha da maconha (Foto: Alcides Neto)

A adolescente Érica, 15 anos, revelou que participava do evento por conta de um trabalho de escola que estava fazendo em que defendia a liberação da droga. Ela fez questão de dizer que era usuária da maconha e que seus pais sabem, “mas preferem não enxergar. E não vejo mal algum no uso”, comentou ela.

Ativista do movimento feminista e integrante do bloco das “Boladonas”, a estudante Marina Duarte, 23 anos, destacou que especificamente hoje o grupo decidiu por o bloco anti-proibicionismo na rua. “Essa pauta da liberdade da maconha é comum entre os movimentos, inclusive o feminista, porque prega a liberdade sobre o próprio corpo”, observou ela.

“É muito importante politicamente nesse momento que os movimento se unam e vão para as ruas contra as proibições vazias sem nenhuma explicação”, protestou Marina Duarte.

Já o professor de história, Sidnei Melo, 46 anos, que foi candidato a prefeito nas últimas eleições em Campo Grande pelo Psol, disse que estava na marcha porque toda a batalha em torno da liberdade exige a participação dos movimentos. “Estamos falando em direitos e não somente da liberação do uso de uma droga. Essa discussão é por liberdades constitucionais”, declarou ele, acrescentando ser usuário da maconha “eventualmente e recreativamente”, diferente de pessoas da sociedade que são hipócritas e não assumem o uso.

Os movimentos feministas também apoiaram a marcha da maconha, por pregar a liberdade (Foto: Alcides Neto)Os movimentos feministas também apoiaram a marcha da maconha, por pregar a liberdade (Foto: Alcides Neto)
Durante discussão, adolescente de 17 anos é esfaqueado pelo amigo
Um jovem de 17 anos foi levado em estado grave para a Santa Casa após ser esfaqueado na noite deste sábado, na frente da casa em que mora no Bairro G...
Após furtar obra, ladrão é capturado por moradores e ferido a tiros
Marcio Estacio Duarte Teixeira, de 31 anos, foi socorrido a Santa Casa de Campo Grande após ser atingido por dois tiros na madrugada deste domingo (1...


A pauta da marcha não era liberdade de expressão. Seria legal se fizessem um jornalismo mais profissional e verdadeiro, mostrando a fundo todos os lados, sem ser rasos. Nem se deram o trabalho de colocar foto da faixa e explicar pelo menos a pauta. E falar que depois de gritar que maconha é uma delícia gritamos que a polícia é uma vergonha logo em seguida, que o que mata é a guerra as drogas e a planta tem uso é medicinal. E muitos milhões de argumentos que se tem contra o proibicionismo não podem ser expostos pois tem razão ... É perigoso não ser imparcial né, conhecer esses argumentos Campo Grande não pode nem passar perto.
 
Louise Ana em 25/05/2016 01:05:16
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions