ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, QUARTA  21    CAMPO GRANDE 28º

Capital

Com "xing ling" no alvo, ação contra sonegadores recolhe produtos no Centro

Ação conjunta do Procon, PC e Sefaz fiscaliza produtos importados vendidos em 15 lojas do centro de Campo Grande

Por Silvia Frias e Laiane Paixão | 28/09/2020 10:44
Policial averigua produto vendido em loja na Rua Dom Aquino (Foto: Marcos Maluf)
Policial averigua produto vendido em loja na Rua Dom Aquino (Foto: Marcos Maluf)

Ação conjunta fiscaliza 15 lojas no centro de Campo Grande para apurar combate de sonegação e infrações com relação de consumo, com a comercialização de produtos considerados impróprios. Até agora, as equipes do Procon-MS, Polícia Civil e Sefaz (Secretaria Estadual de Fazenda) encontraram irregularidades na maioria dos estabelecimentos vistoriados.

Os alvos da Operação Tributo são lojas de pequenos produtos e importados, que comercializam artigos de decoração, bijuterias, eletrônicos entre outros.  Na relação de consumo, produtos que não tem informações em português ou possam apresentar risco ao consumidor.

Bolsa era comercializada com duas marcas diferentes (Foto: Marcos Maluf)
Bolsa era comercializada com duas marcas diferentes (Foto: Marcos Maluf)

Pela polícia, a fiscalização envolve equipes da Dedfaz (Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes de Defraudações, Falsificações, Falimentares e Fazendários), Decon (Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes Contra as Relações de Consumo).

Na Zhu, na rua 15 de novembro, o dono da loja preferiu baixar as portas enquanto a fiscalização fazia a vistoria.

O delegado Wilton Vilas Boas estava com equipe na loja Mini Life, na Rua Dom Aquino vistoriando os produtos ofertados. Na vistoria, constataram mercadorias que não têm origem comprovada. Os responsáveis dizem que tudo está regularizado e vão apresentar documentos.

"Havaianas" vendida no centro da cidade (Foto: Marcos Maluf)
"Havaianas" vendida no centro da cidade (Foto: Marcos Maluf)

Segundo o delegado, as lojas ficam como fiel depositária das mercadorias. Os produtos não podem ser comercializados até que os proprietários apresentem documentação de origem e recolhimento dos devidos impostos.

O superintendente do Procon-MS, Marcelo Salomão, disse as equipes estão vistoriando marcas, valor fiscal, vencimentos e procedência.

Entre os produtos encontrados, além da documentação, mesmo produto como duas marcas, como uma bolsa, chinelo que saía ao toque e óculos de grau vendido sem que seja apresentada receita médica.

Salomão explicou que recebeu várias reclamações de consumidores que não conseguiam receber nota fiscal do produto comprado, sob várias justificativas dos comerciantes. "É preciso que haja equilíbrio, tem comerciantes que pagam tributos e não conseguem competir em preços".

De acordo com informações do Procon, o prazo é de cinco dias para regularização e liberação dos produtos. Caso não tenham origem comprovada, o material é confiscado de forma permanente.

Foram encontradas mercadorias que não tiveram origem comprovadas. Prazo de 5 dias para que proprietários regularizem a situação. Mercadorias ficam apreendidas e donos como fieis depositários. Caso os comerciantes não consigam apresentar documentação, o material é recolhido de forma permanente.

#matéria atualizada para correção e acréscimo de informações



Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário