ACOMPANHE-NOS    
DEZEMBRO, QUARTA  08    CAMPO GRANDE 20º

Capital

Órgãos de defesa do trabalhador pedem providências sobre funcionário humilhado

Entidades chegaram a ir no Carrefour conversar e saber detalhes da situação, mas vítima e autora não estavam

Por Mirian Machado | 26/10/2021 13:21
Cliente filmou momento em que vendedor se ajoelhou para limpar o chão. (Foto: Reprodução)
Cliente filmou momento em que vendedor se ajoelhou para limpar o chão. (Foto: Reprodução)

O flagrante de um funcionário do Carrefour em Campo Grande sendo humilhado pela gerente, enquanto limpava o chão ajoelhado, repercutiu nacionalmente principalmente na internet, gerou indignação da população e repúdio de entidades de defesa dos trabalhadores do comércio como a Fetracom (Federação dos Trabalhadores no Comércio e Serviços de Mato Grosso do Sul) e o SECCG (Sindicato dos Empregados no Comércio de Campo Grande).

Ambos os órgãos chegaram a mandar equipes ao hipermercado para pedir providências e conversar com outros funcionários para saber mais detalhes da situação, mas não encontraram nem a vítima, nem a autora.

Às equipes, a direção da empresa informou que a mulher foi afastada do cargo, que esse não é um procedimento autorizado pela empresa e que será aberta uma investigação interna.

No local, ao presidente do SECCG, Carlos Sérgio dos Santos, foi informado ainda que o Pedro Henrique Monteiro da Silva, de 22 anos, vítima da humilhação, não estava na loja, pois estava de folga, mas a entidade deve retornar para conversar com ele e com a autora e verificar se há outros envolvidos em situações semelhantes que fere as legislações brasileiras, entre a CLT e a Convenção Coletiva de Trabalho, firmada entre ambas as partes, patronal e laboral.

“Queremos entender o que se passou ali para poder evitar que casos como esse voltem a se repetir”, disse Carlos.

Segundo o presidente da Fetracom/MS Douglas Rodrigues Silgueiro, a empresa é obrigada a tomar conhecimento de como seus colaboradores são tratados para evitar episódios como este, que são imorais e ilegais. “Casos como esse nunca deveriam acontecer em pleno século XXI. O Carrefour tem responsabilidade pelo que acontece em suas lojas, especialmente, com seus funcionários”, afirmou.

O caso foi flagrado por uma cliente na loja de Campo Grande e trouxe à tona denúncias de outras situações de abuso cometidas pela supervisora. Depois da publicação do vídeo nas redes sociais, surgiram outras denúncias de funcionários sobre assédio moral cometido pela mesma gerente.


Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário