ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, QUINTA  05    CAMPO GRANDE 16º

Capital

Para despistar polícia, foragido enterrava maconha no quintal de casa

Investigação apontou, “7 Encruzilhadas” seria integrante do PCC e importante distribuidor de drogas

Por Clayton Neves | 04/10/2019 17:06
Suspeito foi preso em flagrante e levado junto com a droga para a Denar. (Foto: Polícia Civil)
Suspeito foi preso em flagrante e levado junto com a droga para a Denar. (Foto: Polícia Civil)

Foragido da Justiça desde o dia 16 de agosto, Victor Henrique de Oliveira, de 24 anos, conhecido como “7 Encruzilhadas”, foi preso na noite desta quinta-feira (3) depois de ser flagrado com cocaína e maconha. Para despistar a polícia, o suspeito enterrava tabletes da droga no quintal da casa onde morava, na favela Jardim Anico, em Campo Grande.

De acordo com informações da Denar (Delegacia Especializada de Repressão ao Narcotráfico), denúncias levaram equipe de investigação até a casa do autor. Lá, os agentes encontraram 16 papelotes de cocaína dentro de uma meia que estava debaixo de uma telha. Também foram localizados uma balança de precisão e um tablete de maconha.

Desconfiados, os investigadores continuaram as buscas no local, até que encontraram dois sacos com diversos tabletes de maconha enterrados em dois pontos no quintal. Pesada, a carga somou 25,8 quilos.

No quarto de Victor estava uma identidade falsa com a foto dele, mas em nome de Renan Jesse Boro. Segundo apontou investigação da Denar, “7 Encruzilhadas” seria integrante do PCC e importante distribuidor de drogas responsável pelo abastecimento de bocas de fumo da Capital. 

Conforme Jonathan Lopes, advogado de Victor, o cliente não é dono da droga apreendida. A defesa alega ainda que o entorpecente estava enterrado no quintal do vizinho e que a confusão se deu porque as casas não são divididas por muro. O advogado também explicou que seu cliente não é membro da facção criminosa PCC e que tinha sido liberado pelo presídio para fazer exames médicos.

Matéria alterada às 9h47 do dia 5 de outubro para acrescentar a alegação da defesa do preso.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário