A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 18 de Janeiro de 2019

11/01/2019 12:19

Pela terceira vez em menos de 2 semanas, ladrões invadem lanchonete no Centro

Os dois primeiros casos aconteceram no mesmo dia, 30 de dezembro. Nesta madrugada, suspeito quebrou a porta para entrar

Geisy Garnes e Mirian Machado
Suspeito quebrou porta e fugiu com dinheiro (Foto: Reprodução Vídeo)Suspeito quebrou porta e fugiu com dinheiro (Foto: Reprodução Vídeo)

Mais uma vez, a Casa das Bruxas – uma cafeteria e loja de doces idealizada para trazer um pouco de magia a quem passa pela Rua Pedro Celestino com a 15 de Novembro – foi alvo da ação de bandidos. Nesta sexta-feira (11), pela terceira vez em 12 dias, o prédio foi novamente arrombado e o dinheiro do caixa levado.

Os dois primeiros casos aconteceram no mesmo dia, 30 de dezembro. A primeira por volta das 1h. O assaltante acabou preso depois que o alarme disparou e um vigia chegou ao local. Já a segunda aconteceu por volta das 10h e o autor conseguiu fugir, sem levar nada.

Das duas vezes, os proprietários viram a fechadura ser arrombada, por isso decidiram travar a porta, mas não foi o suficiente. Nesta madrugada, por volta das 5 horas, o suspeito usou um pedaço de madeira para quebrar a porta de vidro.

Toda a ação foi filmada pelas câmeras de segurança da cafeteria. Antes de cometer o crime, o suspeito fica por aproximadamente 15 minutos em frente à loja e não se intimida com os carros ou pessoas que passam pelo local. Ele tenta entrar várias vezes, até conseguir usar o pedaço de madeira para quebrar a porta.

Nas três vezes, os autores eram diferentes e o foram às moedas do caixa, valores de R$ 20 a 30. Para a proprietária Gisele Furini Vergilio, de 29 anos, todas as características indicam que os suspeitos são usuários de drogas.

“Estou com muito medo. Trabalhamos cerca de um ano para abrir a loja, que é nosso sonho e agora o sentimento de receio. Investimos muito dinheiro e muito trabalho para ter um desgaste psicológico assim”, lamentou. O prejuízo desta vez soma R$ 1 mil, segundo Gisele.

Segundo ela, a região abriga muitos usuários de drogas, o que agrava a situação. “Não temos policiamento. Em um mês aqui nunca vi uma viatura passando. Acredito que se tivesse intimidaria”, afirmou. Mesmo com o furto, a loja abriu às 10 horas e a preocupação é com o encerramento das atividades. Sem ter como trocar a porta ainda hoje, Gisele conta que terá que improvisar.

Confira o vídeo:



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions