ACOMPANHE-NOS    
JUNHO, SEGUNDA  01    CAMPO GRANDE 27º

Capital

PM condenado pelo tráfico de 1,3 tonelada de cocaína é transferido de SP para MS

PM reformado foi preso em fevereiro de 2019, no Guarujá; transferência envolveu equipes do Rota de SP e PMS de 4 cidades de MS

Por Silvia Frias | 22/05/2020 07:44
Transferência teve participação de equipes das PMs de São Paulo e MS (Foto/Divulgação)
Transferência teve participação de equipes das PMs de São Paulo e MS (Foto/Divulgação)

O policial militar reformado Mário Marcio da Silva, condenado a 14 anos e sete meses de prisão pelo tráfico de 1,3 tonelada de cocaína foi transferido, ontem, de São Paulo para Campo Grande. Antes da condenação, Silva trabalhava em MS, lotado em Corumbá.

De acordo com o site Hoje Mais, o esquema 20 policiais da Rota de São Paulo e PMs de Três Lagoas, Água Clara, Ribas do Rio Pardo e do Batalhão de Choque e da Guarda e Escolta de Campo Grande.

De SP, o comboio da Rota seguiu para Três Lagoas e, de lá, para presídio em Campo Grande.

Mário Márcio da Silva foi flagrado no Guarujá (Foto/Divulgação)
Mário Márcio da Silva foi flagrado no Guarujá (Foto/Divulgação)

Mário Marcio da Silva foi preso pela Polícia Federal no dia 21 de fevereiro de 2019 no Guarujá, litoral de São Paulo, flagrado com 1,3 tonelada de cocaína, armamento e R$ 1 milhão em espécie. O flagrante foi dado quando o PM reformado chegava em uma casa com caminhão-baú.

Parte da droga estava escondida no veículo e o imóvel seria utilizado como um entreposto para o narcotráfico, pois nele foi encontrado um bunker em construção para guardar ilícitos. Em outro endereço indicado por ele, a PF encontrou mais drogas, além de pistola, fuzil, munição e carregadores.

Em agosto de 2019, ele foi condenado pela 5ª Vara Federal de São Paulo a pena de 14 anos e sete meses de prisão, em regime fechado. Desde o ano passado, ficou no presídio militar Ramão Gomes, na capital paulista.

Drogas e armas apreendidas em fevereiro de 2019, em flagrante da PF (Foto/G1 Santos)
Drogas e armas apreendidas em fevereiro de 2019, em flagrante da PF (Foto/G1 Santos)