ACOMPANHE-NOS    
SETEMBRO, QUARTA  22    CAMPO GRANDE 34º

Capital

Polícia conclui que ex-vereador foi morto após ser roubado por quadrilha

Alceu Bueno foi encontrado carbonizado na noite do dia 20 de setembro

Por Luana Rodrigues e Marcus Moura | 29/12/2016 10:51
Bueno foi morto e carbonizado para que cadáver fosse ocultado (Foto: Arquivo/Marcos Ermínio)
Bueno foi morto e carbonizado para que cadáver fosse ocultado (Foto: Arquivo/Marcos Ermínio)

Roubo seguido de morte. Esta é a conclusão a que chegou a investigação da Polícia Civil sobre a morte do ex-vereador de Campo Grande, Alceu Bueno, ocorrida na noite do dia 20 de setembro deste ano. O caso era apurado como homicídio doloso e ocultação de cadáver.

Conforme o secretário de Justiça e Segurança Pública, José Carlos Barbosa, a polícia ainda não encerrou as investigações, mas “todas as evidências indicam que foi um latrocínio”, afirmou o secretário na manhã desta quinta-feira, ao Campo Grande News.

Uma mulher e dois homens, que ainda não tiveram a identidade revelada pela polícia, foram presos na noite desta quarta-feira (28), suspeitos de terem cometido o crime.

Eles teriam roubado e depois assassinado Alceu, logo após ele sair da empresa que era dono, o Depósito Bueno, localizado na avenida Coronel Antonino - região norte da Capital.

Os suspeitos serão apresentados à imprensa numa entrevista coletiva marcada para às 15h30 de hoje, na sede do Garras (Delegacia Especializada de Repressão a Roubos a Bancos, Assaltos e Sequestros).

Estarão presentes na coletiva, além do secretário, o delegado-geral adjunto da Polícia Civil, Antonio Costa Mayer, e os delegados Fábio Peró e Edilson Santos.

Corpo encontrado carbonizado - Bueno teria passado o dia todo na empresa dele e, conforme a família disse à polícia, o empresário e ex-vereador deixou o depósito por volta das 21h30, horário que também foi feito o último contato com ele, por telefone. Ele foi morto por estrangulamento.

A polícia acredita que o local onde o corpo foi encontrado - no Parque dos Poderes - foi utilizado só para a desova, sendo lá também onde o Bueno foi carbonizado. Um vídeo, gravado pelas câmeras de um condomínio, mostraram a ação dos assassinos e foi usado pela polícia.

O veículo de Alceu, um Land Rover Freelander 2, só foi encontrado três dias depois, em Ponta Porã – a 323 km de Campo Grande. O utilitário estava completamente queimado, o que dificultou a identificação de imediato.

A investigação sobre o caso correu em sigilo e seguiu várias possibilidades, já que Bueno esteve envolvido em esquema de exploração sexual de menores de idade recentemente, além de agiotagem - hipótese levantada também pelo colega pessoal e de Câmara Municipal, o vereador Carlos Augusto Borges, o Carlão (PSB).

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário