ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, DOMINGO  14    CAMPO GRANDE 24º

Capital

Polícia faz silêncio sobre quem vai investigar “depósito” do jogo do bicho

Garras encaminhou relatório do flagrante e apurações iniciais para o delegado-geral, Roberto Gurgel

Por Anahi Zurutuza | 23/10/2023 19:05
Caixa contendo a maquininhas apreendidas na segunda-feira passada (Foto: Direto das Ruas)
Caixa contendo a maquininhas apreendidas na segunda-feira passada (Foto: Direto das Ruas)

Passados sete dias da apreensão de 700 máquinas destinadas à coleta de apostas do jogo do bicho, a Polícia Civil faz mistério sobre os rumos da investigação. O flagrante, quase de por acaso, foi feito pelo Garras (Delegacia Especializada de Repressão a Roubos a Bancos, Assaltos e Sequestros), mas o inquérito, quando aberto, deve ser tocado por outra especializada, talvez o Dracco (Departamento de Repressão à Corrupção e ao Crime Organizado).

A decisão sobre qual delegado ficará responsável por descobrir a quem pertencem as maquininhas está nas mãos do chefe da Polícia Civil, Roberto Gurgel, que na semana passada estava em viagem oficial, nos Estados Unidos. Na quarta-feira passada, dia 18, o delegado-geral havia dito que daria encaminhamento assim que voltasse. “Estou fora do país com a Secretaria Nacional de Segurança Pública, mas acompanhando a situação. Assim que chegar, vamos analisar de maneira técnica e jurídica, como sempre fizemos, qual a unidade com atribuição para a investigação”, explicou à reportagem.

Mas, nesta segunda-feira (23), ele não atendeu às ligações e nem respondeu o Campo Grande News pelo WhatsApp. A Polícia Civil também não deu retorno via assessoria de imprensa e o secretário de Justiça e Segurança Pública, Antonio Carlos Videira, mandou avisar que estava em reunião quando a reportagem ligou.

Fato é que a investigação já não está nas mãos do Garras, segundo o delegado, Fábio Peró. “O gabinete vai deliberar para onde vai o procedimento”, explicou.

Casa de portão preto, na Rua Gramado, onde foram encontradas máquinas do jogo do bicho (Foto: Paulo Francis)
Casa de portão preto, na Rua Gramado, onde foram encontradas máquinas do jogo do bicho (Foto: Paulo Francis)

O flagra – Na tarde da segunda-feira passada, dia 16, policiais do Garras investigavam detalhes de outro crime quando a especializada recebeu denúncia de roubo cuja placa do carro usado pelos supostos criminosos foi anotada. Ao receber o alerta, a equipe que estava no Monte Castelo visualizou o veículo do assalto em frente a uma casa na Rua Gramado e passou a monitorar o local.

Foi quando um motociclista deixou a residência e os investigadores em viatura descaracterizada decidiram segui-lo. Sem conseguir abordar o homem de moto, a equipe voltou para o endereço onde o carro de assaltantes havia sido deixado.

O veículo já não estava mais no local, mas com a chegada de reforços, os policiais tocaram a campainha do imóvel. Um homem atendeu, disse que estava ali para “jogar baralho” e quando os investigadores entraram, havia outras pessoas no local, além das máquinas utilizadas para a coleta de apostas da loteria ilegal.

Na “turma do baralho”, estavam dois policiais militares aposentados, o major Gilberto Luiz dos Santos, que também é funcionário da Assembleia Legislativa, e o sargento Manoel José Ribeiro. “Major G. Santos”, como é conhecido o oficial da PM, está lotado no gabinete do deputado estadual Roberto Razuk Filho, mais conhecido como Neno Razuk, desde 2019.

Além dos PMs, outras sete pessoas foram conduzidas para a sede do Garras, onde deram depoimento e foram liberados. Todos negam ligação com esquema de exploração do jogo de azar.

A casa é de empresário sul-mato-grossense que aluga o imóvel desde janeiro e diz ter sido pego de surpresa com ação do Garras, pois não fazia ideia que o inquilino fazia parte de grupo que lucra com a loteria ilegal.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News.

Nos siga no Google Notícias