ACOMPANHE-NOS    
JULHO, SÁBADO  24    CAMPO GRANDE 31º

Capital

Polícia Federal amanhece na Seleta, investigada na "farra das contratações"

Desde 2016, inúmeros processos contra a Seleta minaram a capacidade de atuação da entidade

Por Aline dos Santos e Ana Oshiro | 25/02/2021 07:33
Policiais federais estão na sede da Seleta em Campo Grande. (Foto: Henrique Kawaminami)
Policiais federais estão na sede da Seleta em Campo Grande. (Foto: Henrique Kawaminami)

Equipes da PF (Polícia Federal) amanheceram nesta quinta-feira (dia 25) no prédio da Seleta (Sociedade Caritativa e Humanitária) em Campo Grande. No mês de dezembro, a Justiça do Trabalho colocou o imóvel, que ocupa quase uma quadra na Vila Esplanada, a leilão por R$ 17, 8 milhões.

A construção fica entre as ruas Pedro Celestino, Dolor Ferreira de Andrade e João Pessoa. A instituição “quebrou” depois que decisões judiciais impediram a manutenção dos convênios com o poder público.

Desde 2016, inúmeros processos contra a Seleta minaram a capacidade de atuação da entidade, que se viu obrigada a pagar dívidas trabalhistas através da venda de imóveis em leilão judicial.

Os convênios com a prefeitura de Campo Grande, que depois foram barrados pela Justiça, começaram na gestão do ex-governador André Puccinelli (MDB), então prefeito da Capital.

Os trabalhadores teriam de atuar em Ceinfs (Centros de Educação Infantil) e Cras (Centro de Referência à Assistência Social). Mas a estimativa é que, além de funcionários fantasmas, pelo menos 2,7 mil estavam em desvio de função.

“Na prática, a Omep e a Seleta foram transformadas numa agência de empregos, recebendo comissão de 5% sobre os custos mensais do convênio”, diz a decisão judicial. Mais de 4.300 pessoas foram contratadas dessa forma, com espaço para apadrinhados políticos e até parentes do ex-prefeito Alcides Bernal (PP).

A lista de trabalhadores pagos pelo convênio também incluía pessoa presa há anos e moradora de Ladário, cidade a 421 km de Campo Grande. Os contratos foram alvo de operação do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado) em 2016.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário